Dinheiro não compra o poder de Deus

Dinheiro não compra o poder de Deus

A síndrome de Simão

Vendo Simão que o Espírito era dado com a imposição das mãos dos apóstolos, ofereceu-lhes dinheiro e disse: “Deem-me também este poder, para que a pessoa sobre quem eu puser as mãos receba o Espírito Santo” (At 8.18,19).

Quando lemos o texto a partir do versículo 1, do capítulo 8 de Atos, descobrimos que Simão tinha um passado envolvido com feitiçarias.

- Publicidade -

Ele enganava o povo, tanto os ricos como os pobres e tinha muito seguidores. Ao ouvir Filipe, ele se converteu e foi batizado, mas tudo indica que não se desfez totalmente da bagagem do mundo, pois vendo Deus operar através dos apóstolos Pedro e João, achou que poderia comprar o Dom do Espírito Santo.

Eu fico observando a semelhança com os dias de hoje. Existem muitos Simões entre nós. Se converteram ontem, e já acham que podem ser pastores do dia pra noite.

Se encantam com mensagens e unção de Deus na vida de alguns pregadores e o local de destaque que às vezes têm os mesmos entre os crentes, recebendo convites para pregarem em congressos com passagens aéreas e hospedagens pagas, além de ajuda monetária.

Na visão de Simão, que estava acostumado a ganhar dinheiro com ilusionismo, aquilo parecia ser um promissor e sem trocadilhos, “negócio do céu”

É nessa visão distorcida do evangelho que alguns novos convertidos compram livros na área de coaching, marketing gospel, teologia da prosperidade, entram pra seminários e passam a participar de algumas reuniões “espirituais”.

O intuito não é de se doar, cumprir o Ide de Cristo e participar da Grande Comissão, mas de conquistar projeção social e sucesso pessoal. E ainda chamam isso de benção de Deus. Foi nessa esteira que Simão quis investir e ser um empreendedor gospel.

Pobre Simão, mal chegou na igreja, ainda nem aprendeu a andar, e já quer correr. Só que ele ofereceu dinheiro aos pastores errados. Pedro e João não eram coaches, não se diziam profetas, não vendiam visões e nem tinham amor ao vil metal.

Colocaram o ex-mago no lugar dele. Pedro respondeu: “Pereça com você o seu dinheiro! Você pensa que pode comprar o dom de Deus com dinheiro?  Você não tem parte nem direito algum neste ministério, porque o seu coração não é reto diante de Deus. Arrependa-se dessa maldade e ore ao Senhor. Talvez ele lhe perdoe tal pensamento do seu coração, pois vejo que você está cheio de amargura e preso pelo pecado” (At 8. 20-23).

Já o que vemos nos dias de hoje por motivos diversos são obreiros imaturos ascendendo ao púlpito, sem experiência e nem conhecimento teológico suficiente para ministrar a Palavra.

Geralmente gostam de roupas chamativas e extravagantes, adoram contorcionismo, chavões e palavras de efeitos durante a mensagem. Apelam constantemente para o emocional.

A impressão que tenho ao vê-los no altar da Palavra é que não vieram de um seminário, mas de uma escola teatral e que não pregam, mas atuam.

Ainda bem que Simão se arrependeu da proposta indecente e pediu aos discípulos que orassem por sua vida.

Ele aprendeu cedo que Igreja não é negócio.

R.A

Leia também:
Vivendo o pentecostalismo


DEIXE UM COMENTÁRIO
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram
“O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”
Se encontrou algum erro, deseja sugerir uma pauta, ou falar conosco. Clique aqui!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui