Vaticano confirma que tem diretrizes para Padres com filhos
Cardeais e bispos em uma cerimônia de canonização na Basílica de São Pedro, na Cidade do Vaticano. Foto: Alessandra Benedetti / Corbis via Getty Images

O documento interno contém orientações sobre como lidar com os padres que quebraram o voto do celibato e tiveram filhos. Porta-voz diz que as diretrizes não se tornarão públicas.

Vaticano reconheceu pela primeira vez a existência de diretrizes secretas para padres que quebraram seus votos de celibato e tiveram filhos. No entanto, recusou-se a tornar o documento público, dizendo que se trata de um assunto interno. Alessandro Gisotti, um porta-voz do Vaticano, disse ao New York Times que o “princípio fundamental do documento de 2017 era a proteção da criança”.

O documento solicita que um clérigo que tenha tido um filho deixe o sacerdócio para “assumir suas responsabilidades como pai, dedicando-se exclusivamente à criança”. Gisotti disse à CBS News que o documento era “para uso interno … e não se destina a publicação”.

Sobreviventes de abuso sexual clerical de todo o mundo estão reunidos em Roma nesta semana para realizar vigílias e protestos diante de uma cúpula sem precedentes de bispos e outras figuras da Igreja convocadas pelo Papa Francisco.

O número de filhos de padres é desconhecido, embora um grupo de apoio, a Coping International , tenha 50.000 usuários em 175 países. Algumas crianças são o resultado de relacionamentos consensuais, mas outras são o resultado de estupro ou abuso.

De acordo com Vincent Doyle, filho de um padre e fundador da Coping International, a questão da descendência clerical é “o próximo escândalo” para confrontar a igreja. “Há crianças em todos os lugares”, disse ele ao New York Times.

Uma comissão criada por Francis para combater o abuso sexual clerical foi encarregada de observar como a igreja deveria responder à questão dos filhos dos padres.

Os bispos irlandeses publicaram suas próprias diretrizes , dizendo que, se um padre se torna pai, o “bem-estar de seu filho deve ser sua primeira consideração”. O documento acrescenta: “Um padre, como qualquer novo pai, deve encarar suas responsabilidades – pessoal, legal, moral e financeira. No mínimo, nenhum padre deveria se afastar de suas responsabilidades”.

Algumas pessoas argumentam que a Igreja Católica Romana deveria abandonar sua exigência de que os sacerdotes adotem um voto vitalício de celibato. Eles dizem que isso pode ser um fator de abuso sexual, e que isso impede as pessoas de se inscreverem para o sacerdócio, com muitos países agora com uma aguda falta de padres.

As igrejas católicas orientais têm uma longa tradição de padres casados, e exceções à regra do celibato foram feitas caso a caso para antigos padres anglicanos que se convertem ao catolicismo .

Mas no mês passado, Francis disse que se opunha a qualquer mudança geral na tradição secular. “Pessoalmente, acho que o celibato é um presente para a igreja”, disse ele. “Eu diria que não concordo em permitir o celibato opcional, não”.

“Exceções poderiam ser consideradas em lugares muito distantes, onde havia uma necessidade pastoral devido à falta de padres”, disse ele.

Fonte: The Guardian
_____________________________________________________
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui