Repúdio à Gaviões da Fiel - a escola de samba que ridicularizou o cristianismo
Repúdio à Gaviões da Fiel – a escola de samba que ridicularizou o cristianismo / Foto: Reprodução

Repúdio: Ferir os valores cristãos, profanar, desrespeitar o que é sagrado e zombar da fé alheia, na prática, parece que “liberdade de expressão” se confunde com “intolerância religiosa” pela forma como vem acontecendo “em nome da arte”.

Encerrando o segundo dia de desfile das escolas de samba de São Paulo, na madrugada de domingo (3), a Gaviões da Fiel gerou uma grande polêmica e repúdio, por conta de uma apresentação afrontosa ao cristianismo, com a encenação de “uma batalha entre o bem e o mal”, tendo “Jesus e seus anjos” contra “Satanás e seus demônios”.

Supostamente, a apresentação procurou incutir na mente dos que a assistiam a ideia de que o “Filho de Deus” é fraco e que o seu sofrimento foi ocasionado pela força dos demônios, além de ser massacrado, humilhado e vencido por Satanás. No final do espetáculo, “Jesus” vence por meio de um “anjo” que, com sua espada, fere o “diabo”. Heresia!

Comentaristas disseram que a comissão de frente da Gaviões fazia referência a uma lenda árabe sobre o surgimento do tabaco, relacionada a Santo Antão, e que o personagem vestido com um tecido em volta do quadril, usando uma coroa de espinhos e com marcas de flagelação era o santo e não Jesus Cristo.

Mas, após o desfile, receberam no estúdio integrantes da comissão e o coreógrafo, que fizeram a “correção” informando que o personagem em questão não era o Santo Antão, mas sim Jesus Cristo. “O foco era chocar. Essa comissão de frente foi incrível e alcançou nosso objetivo, que era mexer com essa polêmica de Jesus e o diabo, com a fé de cada um”, afirmou o coreógrafo Edgar Junior.

Repudio à Gaviões da Fiel - a escola de samba que ridicularizou o cristianismo
“Jesus” vence por meio de um “anjo” que, com sua espada, fere o “diabo”. Heresia! / Foto: Reprodução

As imagens do desfile se espalharam e o fato repercutiu pela internet, ganhando as redes sociais, onde muitos cristãos lamentaram a encenação que foi fortemente criticada.

Sites de todo pais noticiaram as reações de repúdio do segmento, considerando que foi um ataque contra a maior religião do mundo – o cristianismo, ferindo o sentimento de milhões de pessoas na esfera terrestre.

Repúdio

Apesar de a religião no Brasil ser bem diversificada, cerca de 87% da população brasileira é majoritariamente cristã. Ou seja, dos 208 milhões brasileiros, 180 milhões adotam o cristianismo, que mesmo fragmentado e pulverizado, reconhecem a Bíblia como base dos valores históricos e culturais, que são princípios morais que norteiam a conduta humana na sociedade.

Assim, é fácil entender a indignação da maioria dos brasileiros, manifesta nas redes sociais e nos muitos sites e blogs, repudiando a encenação da Escola de Samba Gaviões da Fiel, desde a sua apresentação.

Vale lembrar que muitas instituições carnavalescas se garantem, quase inteiramente, do repasse de verba pública, em detrimento de milhões de brasileiros que carecem de recursos nas áreas de saúde, alimentação, educação e segurança pública.

Como não reprovar essa apresentação afrontosa ao cristianismo, considerando que supostamente tenha sido patrocinada com o dinheiro dos cristãos que são a maioria da população deste país?

Ferir os valores cristãos, profanar, desrespeitar o que é sagrado e zombar da fé alheia, na prática, parece que “liberdade de expressão” se confunde com “intolerância religiosa” pela forma como vem acontecendo “em nome da arte”.

Entretanto não estou surpreso com isso, pois quando orava por seus discípulos, o Senhor Jesus se dirigiu a Deus, o Pai, com as seguintes palavras: “Dei-lhes a tua palavra, e o mundo os odiou, porque não são do mundo, assim como eu não sou do mundo” (João 17.14).

Isto, também serve de lição, para os cristãos se lembrarem de que o mundo não ama e nem respeita a Igreja. O próprio JESUS advertiu aos seus seguidores que seriam odiados pelo mundo. Lamento, porém, o fato de muitos que se chamam pelo nome de cristão não observam isso ou fazem vistas grossas, caminhando de mãos dadas com o mundo. Não se pode servir a dois senhores (Mateus 6.24).

Certamente,  quanto às Escolas de Samba, blocos carnavalescos e outros que, em nome da arte, desrespeitam à fé da maioria dos brasileiros, ridicularizando o cristianismo, não sabem o que fazem, mas o próprio Deus a seu tempo julgará a cada um (Gálatas 6.7).

Apesar do sentimento de tristeza, é imperioso continuar cumprindo com o dever do verdadeiro seguidor de Cristo, lembrando que a “única bíblia que os descrentes ‘costumam ler’ é o testemunho do cristão”.

Pr. Paulo Pontes

_____________________________________________________
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram

2 COMENTÁRIOS

  1. Deus não necessita de defesa.
    No momento certo, no contexto correto saberão com quem mexeram.
    Não me indigno com isto. Conheço o Deus a quem sirvo. Afinal está escrito não só que este mundo jaz no maligno. Mas tb que isto ocorreria ao final dos tempos.
    Mantenhamo-nos no centro da vontade de Deus e deixemos que o mundo seja mundo conforme escrito.

  2. Pois é, nisto que eu estava pensando estes dias… dinheiro público investido erroneamente nessa imundice que chamam de… carnaval. Sugestão aos nossos irmãos eleitos ao governos federal e estadual, cortem o repasse dessa verba, uma bela medida provisória para tal iria calar estas malditas escolas de samba por dois longos anos.

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui