Presidente da ANAJURE vê com cautela e preocupação reportagem da revista Forbes sobre pastores mais ricos do Brasil

0
46

O presidente da Associação Brasileira dos Juristas Evangélicos – ANAJURE, Dr. Uziel Santana, se posicionou acerca da reportagem publicada na revista Forbes com a lista dos pastores mais ricos do Brasil.

Apresentando a religião como um negócio rentável, e mostrando que mesmo sendo o maior país católico do mundo, de acordo com o último censo, o número de evangélicos tem crescido na nação Brasileira, a Revista Forbes divulgou hoje um ranking dos cinco pastores mais ricos do Brasil. A Revista afirma que “a lista foi estimada segundo dados do Ministério Público e da Polícia Federal”. (Forbes)

O Dr. Uziel Santana, comentou a notícia da Forbes, expressando preocupação com a possível violação dos sigilos bancários e fiscal dos referidos pastores, à repórter do The Christian Post, Amanda Gigliotti.

Leia o texto na íntegra:

A recente divulgação dos pastores mais ricos do Brasil pela Forbes gerou revolta no país por parte de líderes evangélicos, que consideraram que a notícia apresenta a religião como um negócio rentável.

A Forbes fez uma investigação do patrimônio financeiro dos líderes evangélicos mais populares do Brasil baseando-se em dados já divulgados por outras publicações brasileiras e recorrendo a informações do Ministério Público e da Polícia Federal.

De acordo com o levantamento, a revista apontou os cinco mais ricos, que são: Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus, ($950 milhões); Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial do Poder de Deus ($200 milhões); pastor Silas Malafaia, presidente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo ($150 milhões); R.R. Soares, da Igreja Internacional da Graça ($125 milhões) e o casal Estevam Hernandes e Bispa Sônia, da igreja Renascer em Cristo ($65 milhões).

O presidente da Associação Brasileira dos Juristas Evangélicos (ANAJURE), Dr. Uziel Santana, em um email compartilhado com o The Christian Post, se posicionou acerca da reportagem. Dr. Uziel expressou sua preocupação quanto a uma possível violação dos sigilos bancários e fiscal dos referidos pastores.

“Independentemente do mérito da questão, é grave o fato de que possivelmente houve violação de dados protegidos por sigilo bancário e fiscal. Isso é tão violento, quanto fazer mercancia da fé, enganando os que têm menor discernimento da realidade. Certamente, dois abusos a serem coibidos, inclusive penalmente. Certamente, dois ilícitos que mitigam princípios basilares do Estado Democrático de Direito. Com a palavra, a Polícia Federal e o Ministério Público”, disse o Dr. Uziel.

A reportagem da Forbes veio depois de uma outra investigação sobre os salários de pastores brasileiros publicada na revista brasileira Veja.

Um repórter da publicação acompanhou disfarçado de aluno um curso de formação de pastor promovido pela igreja do pastor Silas Malafaia. Segundo ele, Malafaia teria afirmado que seus pastores chegavam a ganhar até R$ 22.000 (cerca de $11.000) mensalmente.

A revista então comparou o salário dos pastores da igreja de Silas Malafaia com o das outras igrejas. Na igreja de Edir Macedo, os salários variariam entre R$ 1. 500 e R$ 10.000; na igreja Mundial do Poder de Deus (IMPD), R$15.000; e na Igreja Renascer em Cristo, entre R$1.500 e R$15.000.

A reportagem da Veja foi também criticada por muitos evangélicos por focar o lado financeiro e profissional da função pastoral e não representar a realidade da maioria das igrejas do Brasil.

Segundo o rev. Mauro Meister, Professor de Antigo Testamento e Coordenador do programa de Mdiv. Da Universidade Presbiteriana Mackenzie, a matéria não passou de uma generalização.

“Além das igrejas mencionadas, existem muitas outras, sérias e comprometidas com a formação acadêmica e pastoral dos seus ministros e que não fizeram e nem fazem do pastorado uma profissão. Que se fizesse ao menos uma ressalva… mas, nada é dito”, expressou ele, em seu blog.

Diferentemente do processo de formação de pastores das igrejas pentecostais ou neopentecostais como as apontadas aqui no texto, o reverendo afirma que o processo na Igreja Presbiteriana, por exemplo, consta de muitos requisitos, inclusive a passagem por um instituto bíblico por 1 ou 2 anos e curso teológico entre 4 e 5 anos.

Fonte: The Christian Post

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Escreva seu comentário!
Por favor, digite seu nome