Perseguição a cristãos do Congo e Moçambique é alarmante
Campo de refugiados no Congo abriga grande parte de cristãos atacados por jihadistas | Foto: IMB.ORG

Um “aumento alarmante” no número de ataques por grupos extremistas islâmicos no nordeste da República Democrática do Congo matou centenas de pessoas e deslocou cerca de 40 mil somente no primeiro trimestre de 2021, de acordo com estudos da ONU.

Em menos de três meses, supostos militantes das Forças Democráticas Aliadas (ADF, sigla em inglês), “mataram quase 200 pessoas, feriram dezenas de outras e deslocaram cerca de 40 mil pessoas no Território Beni na província de Kivu do Norte, bem como nas aldeias vizinhas em Ituri província”, disse o porta-voz da agência, Babar Baloch.

Nas últimas semanas, pelo menos 44 civis foram mortos em vários ataques a vilarejos nas províncias de Ituri e Kivu do Norte.

- Publicidade -

Pesquisadores dizem que o número de ataques atribuídos ao ADF tem aumentado em número e intensidade desde o início de uma ofensiva do exército congolês contra o grupo em outubro de 2019.

Os líderes da Igreja de Cristo no Congo, uma rede de igrejas evangélicas no país, apelaram ao presidente Felix Tshisekedi para ver a situação da segurança na parte oriental do país, para pôr fim aos massacres e violência. As Forças Democráticas Aliadas vêm atacando comunidades há décadas, incluindo matando e sequestrando cristãos, e treinando e enviando jihadistas para outros países da África.

Nos últimos anos, o grupo se aproximou do Estado Islâmico e quer impor um califado na região. Em 12 de março, o grupo libertou 12 reféns perto da cidade de Ndalya, província de Ituri, e os acusou de levar uma mensagem às autoridades e à população: “Converta-se imediatamente ao islã e evite práticas que irritam Alá. Pare as operações militares contra nós se quiser ser poupado da nossa vingança”.

Maior segmentação em Moçambique

Autoridades mundiais de direitos humanos e liberdade religiosa demonstram preocupação com este desenvolvimento, bem como com o surgimento de um grupo islâmico em Moçambique denominado Ansar al-Sunna.

O grupo está ativo na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, desde 2017, mas começou a se tornar mais ativo no ano passado com um aumento significativo no número de ataques e o uso de armas mais sofisticadas.

Até agora, mais de 2 mil pessoas foram mortas no país. A violência está aumentando e o número de pessoas deslocadas pode chegar a 1 milhão em junho.

Quando se alinhou com o Estado Islâmico em 2019, o Ansar al-Sunna começou a ter como alvo os cristãos. Eles enfrentam assassinatos, saques de suas casas e negócios e destruição de igrejas, de acordo com um relatório do Portas Abertas sobre a insurgência islâmica em Moçambique.

A República Democrática do Congo ocupa a 40ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2021 e é a primeira vez que o país se encontra entre os 50 países que mais perseguem cristãos no mundo. Já Moçambique, 45º da Lista, já configurou no documento e após muitos anos, volta como um dos países mais hostis ao cristianismo no mundo.

Como ajudar os cristãos nesses países?

Por meio de parceiros locais, em 2020 a Portas Abertas retomou o trabalho de fortalecimento dos cristãos em Moçambique. Por meio de parcerias estratégicas com a igreja local, a Portas Abertas planeja apoiar a Igreja Perseguida com treinamento. Devido ao aumento da violência contra os cristãos na província de Cabo Delgado, a Portas Abertas forneceu ajuda humanitária ao longo de 2020 e 2021.  Na República Democrática do Congo, a organização oferece ajuda humanitária, socioeconômica e espiritual para que os cristãos permaneçam firmes em sua fé em Jesus.

Acesse o link para saber mais e ajudar os cristãos em suas necessidades.

Fonte: Portas Abertas

DEIXE UM COMENTÁRIO
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram
“O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”
Se encontrou algum erro, ou deseja sugerir uma pauta, falar conosco. Clique aqui!