Os artesãos do Tabernáculo

0
Os artesãos do Tabernáculo
Subsidio da lição 2: “O que precisamos saber sobre os artífices do tabernáculo”.

Subsidio da lição 2: “O que precisamos saber sobre os artífices do Tabernáculo”.

Por Eneias da Silva Ribeiro

Os artesãos do Tabernáculo. Toda iniciativa de um trabalho ministerial na Bíblia deveria respeitar a ordem de chamada (Ef 4.1). Sabemos que Israel é considerado como sendo a igreja do Antigo Testamento, assim, lá também, existia a execução da obra divina assim como houve nos tempos de Cristo.

Do mesmo modo que na Nova Aliança, Deus, Jesus e o Espírito Santo distribuem os dons espirituais e ministeriais capacitando os membros da igreja ao trabalho da obra do Senhor, também acontecia na Antiga Aliança.

Artesão ou Artífice

O termo prescrito em Ex 31.3, apresenta-nos a ideia de uma arte divina sendo desenvolvida pelo próprio Deus. No grego do Novo Testamento o termo para artífice é “techne” que significa arte. Outro termo cognato do primeiro termo citado é “technites” que é igual a “artífice e artesão”. Etimologicamente este termo aponta para o próprio Deus que dá forma as coisas que Ele mesmo traz à existência.

O Espírito Santo capacita

Na confecção do tabernáculo Deus se utilizou de homens que desenvolveriam, por meio da sabedoria do Espírito Santo, todos os projetos artesanais que ocupariam o interior do tabernáculo. Os dois principais dons, de sabedoria e de conhecimento, que se acham entre os dons espirituais entraram em ação na vida dos que foram por Deus separados para trabalhar em sua obra simbólica, típica e figurada.

Os talentos são para a glória de Deus

Seria uma tamanha ignorância dizer que Deus não precisa de pessoas para fazer a sua obra, se fosse assim ele não teria criado Adão para ser o primitivo regente da terra (Gn 1.26,27;2.7). Tanto o antigo como o novo testamento deixam rastros de pessoas que foram por Ele (Deus) separadas para realizar uma obra especifica.

Entretanto, cada um dos que foram selecionados jamais se utilizaram de seus próprios recursos e sabedoria para tal propósito. Cada um deles, foi individualmente chamada e capacitado pela sabedoria do alto (2 Pe 1.21).

Como já foi dito a priori, os dons sempre foram os meios de Deus por a sua casa em ordem. Não é tão difícil entender o ministério artesanal de Bezalel e Aoliabe, ambos foram revestidos de grande sabedoria para iniciar e terminar o trabalho físico do tabernáculo. Como desenhistas profissionais eles deveriam riscar, pelo menos, sobre três tipos de metais: o ouro, a prata e o bronze.

Eles não erravam simplesmente porque a inspiração de Deus os direcionava para não saírem da rota simbólica e típica.

Esboço sintético sobre pessoas que foram separadas para uma obra especifica e imediata:

(1) Abraão – missão: ser o ancestral do povo que futuramente se tornariam uma nação (Gn 12.1,2,3,4,5,6).

(2) Noé – missão: “construção da arca para preservar sua família do juízo iminente (Gn 6.14; 7.1; 8.1,2,3).

(3) José – missão; interpretar os sonhos do Faraó para se tornar o segundo maior líder no Egito (Gn 41.1-44).

(4) Moisés – missão: liderar a nação de Israel até a chegada na terra prometida (Ex 3.1-22).

(5) Neemias – missão: reconstruir as muralhas da cidade santa que foram derribadas (Nem 1.1-11 6.1-19).

(6) Paulo – missão: apostolo que pregaria aos gentios e aos reis da terra (At 9.14,15).

(7) João, o apóstolo – missão: registrar o desfecho final de todas as coisas (Ap 1.19).

Todos os setes personagens citados tiveram a ajuda divina para executar a sua pessoal missão para Deus, eles começaram e terminaram porque o Senhor os ajudou.

Fatos importantes na seleção de Bezalel e Aoliabe:

– Foram chamados pelo nome – não se escolheram, Deus os chamou (Ex 31.2).

– Foram cheios do Espírito de sabedoria – a sabedoria humana não teve vez (Ex 31.2).

– Foram cheios de entendimento, isto é, ambos entenderam o que era para ser feito. Podemos concluir que os dois falavam a mesma língua; ou seja, não houve desentendimento entre eles (Ex 31.3).

– Foram cheios da ciência ou do conhecimento divino (isso nos faz lembrar o dom da palavra da ciência encontrado no novo testamento (Ex 33.3).

Nota:

Cada professor deve se posicionar como alguém que Deus separou e capacitou para edificar a igreja de Cristo por meio do ministério de ensino. O dom divino está sobre e em vocês, portanto, façam com amor o que o mestre os vocacionou para fazer, é certo que a recompensa virá dele.

A Bíblia é clara em dizer que Deus e Cristo dão dons para a edificação da igreja, porem, ele jamais colocará todos os dons (espirituais e ministeriais em uma única pessoa), ele sempre contará com mais de um para tal recepção.

Notem que os desenhos e a desenvoltura do tabernáculo não foram feitos por uma única pessoa, mas, por varias. No novo testamento Jesus também não realizou todo o seu ministério terreno sozinho, ele escolheu homens que não eram discípulos, mas que logo depois do chamado se tornaram seus aprendizes fieis.

Bezalel e Aoliabe são um coletivo típico que representam a igreja da atualidade que faz uma missão especifica cumprindo o ide do mestre por excelência. Que a frase “escola dominical até aos confins da terra” possa se cumprir em nossas salas de aula. Tente formar mais Bezaleis e Aoliabes.

Para refletir

“Investir na criatividade de outras pessoas ajuda a nossa” (Eneias S. Ribeiro)

Leia também:
– Lição 1 –
Tabernáculo – Um lugar da habitação de Deus
_____________________________________________________
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram
“O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”

DEIXE UM COMENTÁRIO

Escreva seu comentário!
Por favor, digite seu nome