O tipo sanguíneo influencia na gravidade da Covid-19?
Resultado preliminar de estudo goiano aponta que não existe relação da tipagem sanguínea com casos graves da Covid-19. | Foto: Shutterstock

Algumas pesquisas estão sendo feitas pelo mundo para analisar a relação da tipagem sanguínea com os casos graves da Covid-19.

Desde o início da pandemia de Covid-19, cientistas em todo mundo investigam as diferentes maneiras que o vírus SARS-CoV-2 afeta o organismo humano. Parte dessas pesquisas considera se os diferentes grupos sanguíneos (A, B, AB e O) podem ter papel relevante diante da Covid-19. Várias pesquisas estão sendo feitas sobre o assunto em diferentes países, mas não há consenso entre a comunidade científica, até o momento, sobre a relação entre os diferentes tipos de sangue e questões-chave como a capacidade de infecção pelo vírus, o agravamento da doença e o risco de morte.

No Brasil não é diferente e estudos sobre o tema estão sendo realizados, um deles pelo Hemocentro de Goiás (Hemogo). Uma das médicas que participa da pesquisa no Estado é a hematologista Maria Amorelli, que atende no centro clínico do Órion Complex, em Goiânia. Ela explica que o estudo é um braço de outro, que analisa o plasma convalescente (doado por recuperados da Covid-19) para auxiliar na recuperação daqueles que ainda estão com a doença. “Analisamos o sangue de 98 doadores de plasma convalescente e fizemos uma relação para saber a gravidade que o vírus os infectou e o tipo sanguíneo”, detalha.

Ao contrário de outros estudos, como o do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (SP), que avaliou 72 pessoas e indicou que as aquelas do tipo sanguíneo A possuem um risco 2,5 vezes maior de gravidade para o coronavírus, na comparação com tipo O, a pesquisa goiana não teve essa identificação. “Dos 98 pacientes, a maioria era do tipo sanguíneo O, e em segundo lugar, do tipo sanguíneo ‘A’ que é a distribuição na nossa população. Essa ideia de que todos os pacientes que não têm o anticorpo anti-A estariam em maior risco, a gente não conseguiu confirmar”, explica Maria Amorelli.

- Publicidade -

Na avaliação de quadros graves, a equipe descobriu que a maior prevalência era de pacientes com sangue tipo AB, enquanto nenhum paciente do tipo sanguíneo A precisou de internação, indo de encontro aos resultados de outros estudos, como um conduzido por pesquisadores da Universidade de Utah, do Intermountain Medical Center Heart Institute e da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, que considerou cerca de 107 mil pacientes, revelou que o tipo sanguíneo não está associado a um maior risco de contrair Covid-19.

Leia também:
Igreja nos EUA oferecerá vacinas contra Covid-19 para incentivar a imunização

A Igreja e a pandemia do Século – Covid-19
Pastor alerta para os perigos de subestimar o Covid-19 em nome da fé

Mais pesquisas

Maria Amorelli acredita que um dos fatores que não permitiram a pesquisa do Hemogo ter uma conclusão definitiva foi o número pequeno de pacientes avaliados. “Outra questão é que a população de doadores é mais selecionada, em geral, pacientes do grupo O têm mais tendência a doar, porque têm aquela ideia de que este é o melhor sangue para a doação. Então precisamos de mais estudos”, conclui ela, ressaltando que a literatura médica ainda não conseguiu confirmar a associação entre tipo sanguíneo e risco para Covid-19.

A médica salienta que não é o momento das pessoas se preocuparem com o tipo sanguíneo que possuem. “Precisamos de mais estudos, não se pode introduzir nada relacionado a isso na prática clínica. Pacientes de qualquer tipo sanguíneo ainda não devem se preocupar. Muitos já estão chegando no consultório e perguntando se por ser do tipo A são do grupo de risco e ainda não é a questão de modificar uma conduta em relação a isso”, explica a hematologista.

“Outros fatores de risco têm um peso muito maior e mais importância, como doença coronariana, trombose prévia, diabetes. Várias pessoas do tipo A não precisaram internar, tiveram uma doença leve, sem complicações, e várias pessoas do tipo O tiveram doenças mais graves também. Hoje em dia, esses estudos servem para a gente melhorar nosso conhecimento sobre o genoma viral, para poder construir drogas melhores, drogas alvo na nossa luta contra o vírus, mas ainda não deve ser motivo de preocupação”, destaca Maria Amorelli.

Comunicação Sem Fronteiras

DEIXE UM COMENTÁRIO
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram
“O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”
Se encontrou algum erro, ou deseja sugerir uma pauta, falar conosco. Clique aqui!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui