O que penso sobre o Dízimo

Recentemente entrei num debate acerca do dízimo, pois na Paraíba um pastor falou que quem não pagava, não valia nada. Por essa razão, resolvi escrever minha opinião sobre o assunto.

A prática da entrega do dízimo antecede a Lei (Gn 14.18-20). Abraão deu dez por cento do que conquistou na guerra.

- Publicidade -

Parece que o valor (dez por cento), foi uma iniciativa de Melquisedeque, e não de Abraão. O sacerdote Melquisedeque que não era levita (pois Levi sequer havia nascido), cobrou de Abraão o dízimo (Hb 8.1-10).

Alguns historiadores dizem que na época de Abraão, a prática de entregar o dízimo já existia em outras religiões.

Jacó fez um voto (prática que também antecede a Lei) e prometeu a Deus dar o dízimo (Gn 28.20). O sacerdócio levita viria 400 anos depois de Jacó, o que nos leva a crer que o patriarca tenha empregado dez por cento de seu lucro em cultos e dado aos pobres.

O dízimo é formalmente instituído na Lei: “Certamente darás os dízimos de todo o fruto da tua semente, que cada ano se recolher do campo” (Dt 14.22). Mais informações sobre o uso do dízimo são encontradas em Lv 27.30-32; Nm 18.21-32.

O dízimo também era usado para o social: “Ao final de cada três anos, tragam todos os dízimos da colheita do terceiro ano e armazene-os em sua própria cidade, para que os levitas, que não possuem propriedade nem herança, e os estrangeiros, os órfãos e as viúvas que vivem na sua cidade venham comer e saciar-se, e para que o Senhor, o seu Deus, o abençoe em todo o trabalho das suas mãos” (Dt 14.28-29).

A entrega do dízimo é acompanhada de uma promessa de retorno abundante: “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes” (Ml 3.10).

O que disse Jesus sobre o dízimo?

Jesus chama de virtude a entrega do dízimo e disse aos fariseus que deveriam entregá-lo sem desprezar o restante da Lei.

“Mas ai de vós, fariseus! Porque dais o dízimo da hortelã, da arruda e de todas as hortaliças e desprezais a justiça e o amor de Deus; devíeis, contudo, praticar essas virtudes, sem deixar de proceder daquela forma” (Lc 11.42).

A Graça aboliu o dízimo?

Não podemos dizer que o dízimo pertencia a Lei, pois já vimos que Abraão antecede a instituição legalista do dízimo.

Mas, como foi incluso na Lei passou a ser pecado e passivo de ser amaldiçoado quem não entrega o dízimo (Ml 3.10).

Daí, não entregar o dízimo no Antigo Testamento era estar debaixo do pecado. E, o pecado por sua vez gera a morte:

  • “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor” (Rm 6.23).
  • “Eis que todas as almas são minhas; como o é a alma do pai, assim também a alma do filho é minha: a alma que pecar, essa morrerá” (Ez 18.4).

Mas, lembremos que Jesus veio nos livrar da morte: “Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte” (Rm 8.2). “E nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Rm 8.1).

O fato é que a entrega do dízimo perdeu seu caráter legalista.

Na Graça não cabe maldição, na Graça a fé é a única coisa exigida (Rm 8.1; Ef 2.8). Entretanto, vejo que a Graça hiper dimensionou tudo que havia na Lei (Mt 5. 21-47). Por isso lemos: “Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça” (Rm 5.20).

Isso quer dizer que dez por cento na Graça é pouco: “Se queres ser perfeito, vai, vende os teus bens, dá o dinheiro aos pobres, e terás um tesouro no céu. Depois, vem e segue-me” (Mt 19.21; Lc 21.1-4; At 2.45).

Paulo enfatiza a prática da oferta liberal, voluntária, sem limites e com promessa de retorno proporcional.

Lembrem-se: “Aquele que semeia pouco, também colherá pouco, e aquele que semeia com fartura, também colherá fartamente. Cada um contribua segundo propôs no seu coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria” (2 Co 9.6-7).

Vivendo pela fé deveríamos doar muito mais que dez por cento (Hb 10.38). Na história da igreja encontrarmos o ensinamento sobre a entrega do dízimo seis séculos depois:

Somente no século VI, no Sínodo de Mâcon (582), é que o dízimo começou a ser ensinado como algo obrigatório (quando se adotou a infame Teologia do Paralelismo entre a Igreja e o sistema sacerdotal/levítico veterotestamentário), e, um milênio mais tarde – no Concílio de Trento –, ganhou força de lei cujo não cumprimento acarretava ao fiel a punição com a excomunhão.

As igrejas protestantes preservaram até hoje o ensino da contemporaneidade da entrega do dízimo, mas é preciso desvincular essa prática de um ato legalista e da sua não adoção, um acarretamento de maldição.

Entregar o dízimo é, sobretudo, um ato de bom senso, gratidão, amor à obra e de fé; porém, deixar de entregar não compromete a salvação e nem contribui pra ela.

R.A


DEIXE UM COMENTÁRIO
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram
“O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”
Se encontrou algum erro, ou deseja sugerir uma pauta, falar conosco. Clique aqui!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui