O Povo de Deus deve Separar-se do Mal
Grupo de estudo da Bíblia | Foto: Reprodução/Internet

Escola Dominical – Comentário de apoio da Lição 7, do 3º trimestre de 2020 – O Povo de Deus deve separar-se do mal.

Aniel Ventura

O retorno do povo judeu à sua pátria e a reedificação do templo mostram que Deus sempre deseja abençoar o seu povo. Porém os seus métodos não incluem somente o castigo pela apostasia, incluem também a restauração e a esperança para o remanescente fiel, onde Ele dirige o curso da redenção. Isso pode ser visto no Novo Testamento, em que um remanescente dentre os judeus creu em Cristo como o seu Messias, porém o fluxo principal da redenção passou dos judeus incrédulos para os gentios, iniciando na igreja primitiva.

I – SOMENTE OS JUDEUS RETORNARIAM A JUDÁ

Zorobabel e Jesua recusaram-se a associar-se ao “povo misto da terra”, pois o padrão dos israelitas era viver segundo os princípios bíblicos de separação da idolatria, separados das nações ao redor deles. Essa atitude de recusar aceitar uma religião mista levou à oposição e perseguição contra os fiéis de Deus, em que conseguiram até mesmo desanimar o povo fiel, por meio de intimidação, ameaça e deturpação das intenções dos fiéis. (Ed 4.4-24; 2 Tm 3.12). No entanto as Escrituras advertem que Satanás procurará perverter a mensagem de Deus e arruinar o santo remanescente, através de ofertas de cooperação da parte de falsos crentes que não se comprometem com à inspirada revelação da Palavra de Deus (Mt 24.24; At 20.27-31; 2 Co 11.13-15; Ap 2-3). Estejamos cientes de que a adoração ao Senhor traz um importante ensino na Bíblia sagrada. Essa unidade deve basear-se na fé sincera, na justiça e obediência e na verdade revelada por Deus (Ef 4.3-13).

II – OS JUDEUS NÃO ACEITARAM A AJUDA DOS SAMARITANOS

Os inimigos de Deus (os samaritanos (2 Rs 17.24,34) procuraram se infiltrar entre os judeus tentando interromper a construção do templo.

1. Quem eram os samaritanos

Samaritano, significa num habitante da cidade de Samaria, capital do reino de Israel, as dez tribos. Passaram a chamar samaritanos todo o povo desta nação, 2 Rs 17.29. Quando as dez tribos foram transpor­tadas para o cativeiro na Assíria, milhares dos pobres ficaram na terra. Sargom II, rei da Assíria, trouxe gente da Babilônia, de Cuta, de Ava, de Hamate e de Sefarvaim, para colonizar o país, (2 Rs 17.24). Isso resultou numa raça mestiça, Ed 4.2, 9,10. Assim houve grande conflito entre este povo e os judeus ortodoxos, que tinham sua capital em Jerusalém (Ne 6).

2. Os samaritanos ofereceram cooperação aos judeus

A população mista dese­jou ajudar Zorobabel na construção do Templo, afirmando que adoravam ao mesmo Deus. Mas, quando tiveram seu pedido negado, eles opuseram-se e atrasaram a construção (Ed 4.2­-5).

3. Os samaritanos procuraram aparentar-se com os judeus

Os judeus aparentaram com os Samaritanos através dos casamentos mistos o que, gradualmente, ganhou espaço. Entretanto alguns dos sacerdo­tes deportados foram enviados de volta a Betel para que pudessem lhes ensinar “o cos­tume do Deus da terra” (2 Rs 17.25-28). O texto de Esdras 4.2,10 indica que a prática assíria de miscigenação dos povos teve continuidade no governo do neto e Sargão (Esar-Hadom), e também de seu bisneto (Assurbanipal, chamado Osnapar).

4. Os samaritanos tornaram-se inimigos dos judeus

Os Samaritanos afirmavam que adoravam ao Senhor Deus e que sacrificavam a Ele, igualmente como os judeus. No entanto, tinham seus próprios deuses, e não aceitavam a Palavra de Deus escrita como a autoridade suprema (2 Rs 17.24).  Fizeram uma oferta enganosa de ajuda, na verdade era um sinistro complô para subverter a fé e a dedicação do remanescente que voltara. Por não ser aceitos pelos líderes tornaram-se inimigos declarados do povo de Israel.

III – DEUS EXIGE SANTIDADE DO SEU POVO

O objetivo da purificação é aperfeiçoar a santificação. Isso implica dedicar-se a Cristo e viver uma vida de retidão (Hb 6.1).

1. Retornando do cativeiro, Israel separou-se do mal (2 Co 6.17; 7.1)

Paulo escrevendo aos Coríntios exortou a respeito da influência que os ímpios podem exercer em nossa vida, levando-nos a afastar de Deus.

Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis” (2 Co 6.14). O que significa “não se prender a um jugo desigual”? A ilustração é ligar dois animais diferentes, como um boi e uma mula, para arar um campo. Da mesma maneira, um crente e um não-crente pertencem a categorias diferentes. Ligar-se com pessoas não cristãs poderá ser uma tragédia. O Salmo primeiro orienta: “Bem-Aventurado o varão que não anda”. O paralelismo deste versículo fala de um envolvimento cada vez maior com a perversidade: “andar, deter, assentar”. Da mesma forma, os termos dos ímpios são pro­gressivos: “ímpios, pecadores e escarnecedores”. As figuras deste versículo apresentam o justo ideal, mostra alguém que está no mundo, porém separando dele com suas atitudes.

3. Quando Josué se preparou para passar o Jordão, ele disse ao povo: Santificai-vos

O livro de Josué dá ênfase à ideia de santidade, por isso Josué disse ao povo: santificai-vos. O significado fundamental de santidade é a separação das coisas que são impuras e comuns. Essa atitude traria um resultado positivo, que era a realização de maravilhas. O termo maravilhas é o que hoje corresponde ao que chamamos de milagres. Estas poderosas ações de Deus impressionaram o povo e levaram os isra­elitas a louvá-lo (SI 9.1; 96.3).

3. O anjo do Senhor visita o acampamento israelita

O homem que apareceu a Josué era o próprio Deus, ou Cristo (teofania). A ordem dada a Josué de descalçar os sapatos dos pés é idêntica àquela dada a Moisés na sarça flamejante (Ex 3.5).

Cumpre aqui Josué 1.5 “… como fui com Moisés, assim serei contigo; não te deixarei nem te desampararei…”. Quando separamos do que é impuro, ou seja, do mundo, Deus manifesta a sua presença.

4. Israel é derrotado pela pequena cidade de Aí

A desobediência trouxe maldição e consequentemente frustração para todos os israelitas. A relação entre obediência e bênção, e desobediência e maldição, é bem ilustrada aqui. Israel não teria mais futuros sucessos até que o pecado fosse descoberto e punido. O hebraico traz várias palavras para pecado. Dentre elas, temos a palavra ‘pecar’, (heb. חָטָא), que neste versículo quer dizer errar o alvo estabelecido por Deus. Já (Peshá – heb. פָּשַׁע) transgredir significa passar dos limites instituídos pelo Senhor.

IV – DEVEMOS MANTER UMA VIDA DE SEPARAÇÃO DO MAL

1. Os judeus mantiveram-se separados dos samaritanos

O povo se obrigou por juramento a guardar a lei de Deus que fora dada por Moisés, para se separar dos povos vizinhos. Dois preceitos foram estabelecidos: casamentos mistos com os pagãos e a observância do sábado. Esse último preceito não somente excluía o comercialismo no sábado, quanto incluía a observância dos demais dias de festa e a promessa de descansar a terra a cada sete anos.

2. A Bíblia mostra exemplos de servos de Deus que duvidaram se valia a pena manter a linha de separação do mal

O salmo 37 é uma série de expressões e instruções em forma de provérbios sobre a sabedoria segundo Deus. Seu tema concerne a atitude do crente ante o aparente sucesso dos ímpios e das aflições dos justos (Sl 49; 73). Os ímpios serão abatidos e perderão tudo que conseguiram na terra, enquanto os justos, fiéis a Deus, desfrutarão da sua presença, ajuda e direção na terra e herdarão a salvação no céu. O Novo Testamento, destaca que a herança do crente é o novo céu e… nova terra (Ap 21.1).

3. Devemos viver conforme a vontade do Senhor

Aqueles que deleitam no Senhor, terão os desejos de seus corações atendidos, se tal desejo estiver em conformidade com a sua vontade (Jo 15.7). Quando temos prazer em Deus e na sua vontade, o próprio Deus põe em cada coração desejos que ele se propõe a cumprir (Fp 2.13).

4. Bênçãos acompanham os que vivem conforme a vontade de Deus!

Benção e maldição, são coisas reais que também têm efeitos reais. Na Bíblia as bênçãos são mencionadas antes das maldições (Dt 28). Entretanto Deus é tardio em irar-se; porém pronto em mostrar misericórdia, Ele tem prazer em abençoar (Ne 9.17). Por isso é melhor sermos atraídos por suas promessas, como crianças aguardando presentes, a vivermos atemorizados por causa da sua ira.

Conclusão

A edificação do templo esteve parada por cerca de quinze anos. Deus então levantou Esdras e Neemias, que instaram com eles para que continuassem a obra. É um sinal de que existe misericórdia reservada para um povo quando Deus levanta profetas para que ajudem no caminho e obra de Deus, como guias, juízes e reis. Em Ageu, vemos que Deus faz coisas grandiosas por sua Palavra, a qual magnifica acima de tudo o seu santo nome.

Comentário de apoio da Lição 6, do 2º trimestre de 2020 – Carta aos Efésios – CRISTO É A NOSSA RECONCILIAÇÃO COM DEUS.

Bibliografia
A história de Israel no Antigo Testamento – Samuel J. Schultz – S.R. Edições Vida Nova

O Novo Comentário Bíblico A.T. Earl D. Radmacher, Ronald B. Allen e H
O Novo Comentário Bíblico N.T. Earl D. Radmacher, Ronald B. Allen e H
Comentário Bíblico de Matthew Henry – Deuteronômio
Bíblia de Estudo Pentecostal – CPAD

DEIXE UM COMENTÁRIO 
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram
“O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui