O Ministério de Mestre ou Doutor

O Ministério de Mestre ou Doutor – No primeiro século da Igreja os mestres tinham uma importância extraordinária. Eles sempre são mencionados com muita honra. Na Igreja de Antioquia era-lhes outorgada igual posição que aos profetas que enviaram a Paulo e a Barnabé em sua primeira viagem missionária (At 13:1). No entanto, Tiago adverte que o mestre tomava uma decisão própria ao ingressar nesta carreira especial, portanto, está sobre os ombros do mestre uma grande responsabilidade se vier fracassar nela. Tiago escreveu para pessoas que desejavam o prestígio e o lugar de honra que os mestres desfrutavam, entretanto, ele lhes pediu que não esquecessem jamais a responsabilidade que implicava esse título.

I. JESUS, O MESTRE POR EXCELÊNCIA

O ministério de Jesus sempre foi pregar e ensinar, portanto, o Sermão do Monte é um exemplo do ensino no ministério de Jesus, pois ninguém ousava dizer como ele: “Ouvistes que foi ditoEu, porém, vos digo” (Mt 5.21,22,27,28,31-34,38,39,43,44).

- Publicidade -

Havia admiração entre o povo da doutrina e do ensino de Jesus, pois ensinava com autoridade (Mt 7.29). Esse ensino levava os ouvintes a reverenciá-lo, reconhecendo-o como o enviado de Deus.

No evangelho de João, Jesus lava os pés dos discípulos demonstrando amor em ação. Jesus era Mestre e Senhor, significa que Ele estava em um nível mais elevado do que eles; contudo, o Senhor assumiu uma posição de humildade e serviço porque amava aqueles a quem servia. Se recusarmos a servir uns aos outros, e a nos humilhar, não importa quão elevada seja a posição, isso é tentar a se colocar acima de Jesus. Tal orgulho arrogante não é o que Jesus ensinou.

II. O ENSINO DAS ESCRITURAS NA IGREJA DO PRIMEIRO SÉCULO

Quando nossos entes queridos morrem e nos deixam, nos lembramos sempre de suas últimas palavras. Jesus, antes de subir ao céu deixou suas últimas palavras de instrução. Ele tinha todo o poder sobre o céu e a terra. Entretanto, ordenou aos seus discípulos a fazer outros discípulos, pregando, batizando e ensinando. “Fazer discípulos” implica educar novos crentes em como seguir a Cristo, submetendo-se à sua soberania e assumindo sua missão de serviço misericordioso (Mt 28.19,20).

Os Cristãos do primeiro século se juntaram uns aos outros crentes, isto é, se reuniram com outros como eles, pessoas de pensamento e fé semelhantes. A doutrina dos apóstolos era o conteúdo daquilo que deveria ser estudado e ensinado. Desde o início, a igreja se dedicou a ouvir, estudar e aprender o que os apóstolos tinham para ensinar (Ef 2.20).

Os primeiros cristãos viviam de uma forma regular, perseveravam no ensino apostólico e nas atividades que vinham a seguir. Estas atividades formam um mapa prático não somente para a igreja daquele tempo, mas para as igrejas, em todos os tempos.

III. A IMPORTÂNCIA DO DOM MINISTERIAL DE MESTRE

As igrejas e ministérios têm investido muito em missões, mas tem investido pouco no preparo de obreiros vocacionados e com conhecimento para combater os falsos ensinos. Muitos pastores e obreiros não sabem interpretar corretamente as escrituras, para assim poder aplicá-la de forma eficaz na vida de seus membros. O apóstolo Pedro recomendou estar preparado para responder (1 Pe 3.15).

O discipulado cristão é o relacionamento do mestre e o aluno, baseado no modelo de Cristo e seus discípulos, no qual o aluno aprenderá viver uma vida de plenitude em Cristo, de forma que se torne capaz de treinar pessoas para ensinar, ainda outras pessoas, dessa forma o discipulado torna-se de suma importância para a igreja.

A imensa responsabilidade do mestre segundo Tiago (Tg 3.1), consistia em pôr o selo de sua própria fé e conhecimento naqueles que estavam ingressando na Igreja pela primeira vez. Existem dois perigos que todo mestre deve evitar. Em seu ofício o mestre ensinará ou aos que são jovens em idade, ou aos que são meninos na fé.

– Terá que pôr todo cuidado em estar ensinando a verdade e não suas próprias opiniões, ou até seus preconceitos. Infelizmente é fácil para um mestre ofuscar a verdade; deixar de ensinar a versão de Deus, e ensinar sua própria versão da verdade.

– Ter muito cuidado para que sua vida não contradiga o que está ensinando; e que não se veja forçado a dizer continuamente “Faz o que eu digo” e “Não faz o que eu faço”.

CONCLUSÃO

Após a ascensão de Cristo, os apóstolos continuaram o seu ministério de pregação e ensino da palavra (At 18.11; 20.31). Hoje em nossos dias não é diferente, Deus tem concedido a muitos em sua Igreja o dom de ensinar, com o objetivo de edificar o Corpo de Cristo (Ef 4.12). O mestre precisa buscar continuamente comunhão com o Senhor e ter comprometimento único e exclusivamente com a verdade que é a palavra de Deus (Jo 17.17). Assim seu ministério cumprirá o seu objetivo, isto é, “o aperfeiçoamento dos santos” (Ef 4.12).

Bibliografia
– O Novo Comentário Bíblico Novo Testamento – Earl D. Radmacher Ronald B. Allen H.

– Tiago – William Barclay – The Letter of James – Tradução – Carlos Biagini
– Comentário do Novo Testamento aplicação pessoal – Vol. 2 – CPAD
– Comentário Bíblico Pentecostal do Novo Testamento – CPAD

DEIXE UM COMENTÁRIO
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram
“O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”
Se encontrou algum erro, ou deseja sugerir uma pauta, falar conosco. Clique aqui!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui