O filme “A Cabana” tem uma mensagem soteriológica universalista
“A Cabana” é um filme de drama produzido nos Estados Unidos, e lançado no Brasil em abril de 2017. | Foto: Clipe/Youtube

Apesar da mensagem positiva de perdão e compreensão de tragédias, outros pontos chamam a atenção no filme.

Robson Aguiar

Não havia assistido ao filme “a cabana”, o longa inspirado no best-seller homônimo de William P. Young, mas ontem tive a oportunidade de assisti-lo.

Em resumo, “A Cabana” aborda a questão recorrente da existência do mal através da história de um homem que vive sob a dura experiência de ter sua filha de seis anos, raptada durante um acampamento. A menina nunca foi encontrada, contudo, sinais de que ela teria sido violentada e assassinada são achados em uma cabana nas montanhas.

Depois de perder a filha que tanto amava, o pai afastou-se da fé, e passou a viver em profunda tristeza, até que um dia foi desafiado ao receber uma carta supostamente “escrita por Deus”, convidando-o para uma visita à cabana. Em seu “encontro com Deus” procura obter respostas para à indagação: “Se Deus é tão poderoso, por que não faz nada para amenizar nosso sofrimento?”

Ressalto que o filme no contexto geral é muito bom. Em particular me arrancou muitas lágrimas.

Mas apesar da mensagem positiva de perdão e compreensão de tragédias, me chamaram a atenção outros pontos em parte velados no filme. Pontuo:

– Embora seja chamado de Papai (gênero masculino), Deus se apresenta como uma mulher negra, o que traz uma mensagem, não de um Deus assexuado, mas de que Deus não tem gênero pode ser uma deusa, e pode ser negra.

– Jesus é um jovem descolado e parece fisicamente com um palestino.

– O Espírito Santo é uma mulher e tem traços orientais.

O filme “A Cabana” tem uma mensagem soteriológica universalista
Cena do filme “A Cabana” | Foto: Reprodução

Mensagens não tão subliminares que atendem a uma agenda globalista, a grupos politicamente corretos, abraçando ideias feministas, anti-racistas e dos que militam contra xenofobia (Não que devamos ser machistas, xenófobos ou racistas).

O segundo ponto que destaco é que o filme traz uma mensagem soteriológica universalista.

Deus se apresenta apenas como o Ágape (amor) enquanto o Jeová-Tsidkenu (justiça) é claramente omitido.

Além disso coloca todos os homens “bons” e “maus” como filhos de Deus, contrariando o texto de João 1.12, que afirma: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome”.

No mais, recomendo o filme para quem tem discernimento espiritual e tem condições de assistir tudo pela película bíblica.

Creio que tirando os espinhos e colocando os óculos “3B” do discernimento, todos serão edificados.

Assista ao clipe

R.A.


Apoia-seNos ajude ampliar e fortalecer nossa atuação, e melhorar nossa estrutura de trabalho.
Acesse apoia.se/searanews e faça sua doação

Seara News 25 anos

DEIXE UM COMENTÁRIO ABAIXO
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram
“O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui