Cristã de Bangladesh é expulsa de casa por sua família após se converter
Mulheres cristãs em Bangladesh são constantemente ameaçadas por suas famílias e comunidades (imagem meramente ilustrativa) | Crédito: Portas Abertas

Rubina*, uma mulher de 37 anos, morava em um pequeno vilarejo no sudoeste do país com o marido e duas filhas, mas agora não tem para onde ir. Sua família muçulmana a expulsou por causa de sua nova fé cristã.

Tudo começou há cerca de cinco meses, quando Rubina encontrou uma pequena igreja na aldeia, onde o pastor local estava ensinando em suas aulas semanais de domingo. Nessas aulas, havia discussões abertas sobre a Bíblia e ministração.

Rubina passou pela igreja e se sentiu atraída por aquele ensino. Ela queria ouvir mais, mas não queria entrar. Então, ela ouviu do lado de fora, perto de uma janela. A mulher ia todos os domingos para ouvir o ensino.

- Publicidade -

Um dia, o pastor local a notou e percebeu que já a tinha visto antes. Ele percebeu que Rubina estava ouvindo as aulas de domingo de fora. Então, ele saiu para se apresentar a ela e perguntou a Rubina o que ela estava fazendo fora do salão, e ela respondeu: “Eu amo o ensino. Então, estou ouvindo”. Com o sorriso largo no rosto, Rubina disse: “Gostaria de receber Isa (Jesus) e vou compartilhar isso com meu marido”.

Para sua alegria, Rubina correu para casa para contar ao marido sobre esse Deus maravilhoso chamado Jesus e como ela decidiu segui-lo. Mas seu marido não ficou nem um pouco impressionado. Ele ficou muito zangado e começou a bater nela por dizer essas coisas. Rubina foi gravemente ferida em vários pontos de seu corpo.

O marido de Rubina a avisou para nunca mais ir àquela igreja e a impediu de ouvir mais aquele ensinamento, mas Rubina não conseguia parar. Ela sabia que Jesus era real e queria saber mais sobre Ele. Ela começou a fugir e ouvir os ensinamentos em segredo. Mas ela foi pega, e cada vez que era pega, era espancada com outro aviso.

Seu marido também ameaçou o pastor. “Se você continuar fazendo suas atividades religiosas nesta vila, vou bater em você” – disse o marido irado.

Então, em junho, o marido de Rubina se divorciou verbalmente dela (o divórcio oral é uma forma islâmica de divórcio em que o cônjuge pronuncia a palavra “Talaq” – repúdio – três vezes e o divórcio é efetivado). Ele então a expulsou de sua casa com um aviso claro de que ela nunca mais deveria voltar. Rubina e sua filha de 18 anos, Shalma*, tiveram que deixar sua casa. Mesmo os pais de Rubina não a apoiariam ou lhe deram abrigo.

Dupla vulnerabilidade

Nos últimos quatro anos, a Portas Abertas revelou a dupla vulnerabilidade das mulheres e meninas cristãs da igreja perseguida. O relatório de 2021 “Mesma Fé, Diferente Perseguição” dá detalhes de padrões arraigados de perseguição religiosa que são profundamente específicos de gênero, e não indiferentes ao gênero. Os perseguidores têm como alvo os indivíduos que são mais vulneráveis. Isso torna milhões de mulheres e meninas cristãs – geralmente já em desvantagem em sua sociedade simplesmente por serem mulheres – duplamente vulneráveis à perseguição. Muitas vezes sem estruturas legais de proteção, eles podem ser “alvos fáceis” para os perseguidores. Infelizmente, seu sofrimento costuma ser invisível e ignorado por aqueles que os cercam.

Bangladesh é um país patriarcal e culturalmente baseado em classes, onde continua difícil ser mulher. Os convertidos, em particular, são vulneráveis à perseguição familiar e comunitária. A conversão é vista como uma traição à cultura e à religião e, com altos níveis de dependência dos homens, a agressão sexual, o estupro e o casamento forçado são comuns. Elas podem ainda sofrer abusos físicos e mentais. Rapto e casamento forçado são uma ameaça tangível que todas as mulheres e meninas cristãs enfrentam, inclusive em campos de refugiados. Muitas meninas continuam desaparecidas e a aplicação da lei tem se mostrado inadequada.

O que a Portas Abertas tem feito por Rubina e Shalma

Rubina e Shalma estão atualmente se abrigando temporariamente na casa de uma família cristã local que permitiu que as duas ficassem com eles. Rubina estava fazendo pequenos trabalhos para prover a alimentação diária e a compra de itens essenciais, mas com o último bloqueio devido à Covid-19, tornou-se impossível encontrar trabalho.

Também não é seguro para elas continuarem a viver longe de casa, e ainda na situação de cristãs. Como as duas são mulheres e Shalma já é adulta, elas tendem a ser vítimas de pessoas más em sua aldeia. Os outros moradores também tendem a fofocar e dizer coisas ruins sobre as mulheres que ficam fora da proteção dos homens em suas famílias.

A Portas Abertas está acompanhando e apoiando Rubina e Shalma em suas necessidades socioeconômicas e espirituais e levantando parceiros locais para acompanhá-las no que for necessário.

Apesar de sua situação de Rubina e Shalma parecer desanimadora, mãe e filha ainda mantêm sua fé. Elas compartilharam as boas novas sobre Jesus para a irmã de Rubina que já está abrindo seu coração para a mensagem de Jesus.

Você pode ajudar

Além das suas orações, você pode ser um com Rubina através de suas doações. Para saber mais, acesse as campanhas da Portas Abertas pelo mundo e colabore.

*Nomes alterados por motivo de segurança

Leia também:
Cristãos de Bangladesh enfrentam medo após ataques
Família cristã é expulsa de casa em Bangladesh
Bangladesh registra ataque a igreja e casas de cristãos
Polícia de Bangladesh em alerta máximo contra o terrorismo


DEIXE UM COMENTÁRIO
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram
“O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”
Se encontrou algum erro, ou deseja sugerir uma pauta, falar conosco. Clique aqui!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui