Muitos pastores sofrem em silêncio com problemas financeiros
Pastor ora sozinho em igreja. (Foto: Olisa)

Por conta desse tipo de problema muitos pastores sofrem em silêncio.

Instituto norte-americano de pesquisas entrevistou mais de 4 mil pastores. Cerca de 90% assumiram enfrentar algum tipo de problema financeiro. Outros 30% confessaram a necessidade de um segundo emprego para cobrir suas despesas.

Uma nova pesquisa mostra que a maioria dos pastores que servem em pequenas igrejas evangélicas enfrentam dificuldades financeiras. Muitos, porém, são relutantes em falar sobre essas lutas.

Em julho do ano passado, o grupo norte-americano ‘Grey Matter Research’ realizou uma pesquisa com pastores. A Associação Nacional de Evangélicos dos Estados Unidos (NAE) divulgou essa pesquisa onde foram entrevistados 4.249 líderes de igrejas. Os resultados apontaram que a maioria deles enfrentam problemas financeiros graves. Lutam com despesas e dívidas, e também não ganham o suficiente para garantir a financeira estabilidade a longo prazo.

Leith Anderson, presidente da NAE comentou a pesquisa. “A maioria não tem o próprio programa de rádio ou TV, e nem lidera uma igreja grande”, disse  Anderson. “Em vez disso, servem fielmente em pequenas igrejas, enfrentam desafios financeiros decorrentes como estudos, baixos salários e despesas médicas. Infelizmente, muitas vezes eles sentem que não têm a quem recorrer para obter ajuda”.

Pesquisa com pastores

A pesquisa revelou que 80% dos pastores servem em congregações que têm menos de 200 membros. Outros 55% têm menos de 100 membros em sua igreja.

Mais da metade desses líderes disseram que servem em igrejas que têm menos de 125.000 dólares em seus orçamentos anuais. Os outros disseram que recebem menos do que 50.000 dólares por ano (cerca de 4 mil dólares por mês).

30% dos responderam que são responsáveis por dívidas que exigem um orçamento em média de 36.000 dólares por ano. Outros 25% têm contas médicas em média cerca de 7.253 dólares por ano.

Benefícios dos pastores

Nesse ponto, 60% dos pastores disseram que não recebem aposentadoria ou benefícios de saúde de suas igrejas. 29% disseram que não têm nenhuma quantia em sua poupança pessoal. E 39% tem menos de 10.000 dólares em economias.

Aproximadamente 92% dos pastores disseram que sua maior preocupação financeira era sua poupança de aposentadoria. Também, 84% apontaram o medo pelo fato de não terem fundos de emergência na poupança. Outros 60% dos pastores disseram que se preocupam com as contas médicas ou de seguros. E ainda 54% listaram economias da faculdade de seus filhos como uma preocupação.

Dificuldades dos pastores

A pesquisa revelou também que dos pastores que enfrentam dificuldades financeiras, a maioria opta por não pedir ajuda da igreja. Cerca 33% disseram que não conhecem ninguém em quem possam confiar para conversar sobre sua situação financeira. E, ainda 37% disseram que não estão familiarizados com os recursos oferecidos pela sua denominação. O que poderia ajudar nas finanças pessoais.

Outro dado interessante é que 31% deles disseram que precisaram assumir um segundo emprego só para ajudar nas despesas.

Tendo em conta os problemas financeiros, 90% dos pastores disseram que sentem pelo menos algum nível de estresse financeiro. Isso acontece no seu ambiente de trabalho, em sua família e sua igreja. E, 76% deles disseram que sabem de outros pastores que desistiram do ministério devido às dificuldades financeiras.

Em resposta às dificuldades financeiras dos pastores, a NAE lançou uma iniciativa. E o objetivo é abordar os desafios financeiros que os pastores enfrentam, além de buscar soluções palpáveis para isso.

“O NAE está empenhado em desenvolver soluções para as pressões financeiras que os pastores enfrentam”, disse Brian Kluth.

“Estamos muito animados em poder ajudar os pastores a mudarem para uma situação de maior estabilidade financeira”, concluiu Kluth.

Brian Kluth é diretor de projetos da Associação Nacional de Evangélicos dos Estados Unidos (NAE).

Com informações do Christian Post, via Guiame.

2 COMENTÁRIOS

  1. Excelente abordagem. É muito importante que seja notório esse assunto para que todos vejam a realidade da vida dos Pastores, até mesmo para não colocarem todos no mesmo rol quando fazem criticas sobre o que não conhecem inteiramente.

    • Como pastor e também Consultor Financeiro Pessoal tenho encontrado muitos colegas pastores vivendo alto índice de endividamento. Isso devido a falta de Educação Financeira. Perdem qualidade de vida, ganham ansiedade e perdem a motivação para muitas coisas da vida. Isso influência diretamente no desempenho do ministério pastoral. O tema é pertinente e urgente, tendo em vista a crise que passa o país. Essa crise não deve diminuir nos próximos 18 meses.

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui