Morte do líder do ISIS Al-Baghdadi marca o fim de uma era
O líder do grupo do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi | Foto: AP

O assassinato de Al-Baghdadi marca o fim de uma era na luta contra o ISIS, mas não o fim da batalha contra o terrorismo.

A morte de Abu Bakr Al-Baghdadi marca o fim de uma das maiores caçadas humanas da história. Também marca o fim de um dos mais notórios assassinos em massa da memória recente. 

Os seguidores de Al-Baghdadi cometeram e transmitiram alguns dos crimes mais terríveis já vistos por seres humanos praticados pelas mídias sociais em escala mundial. Seu califado, uma vez do tamanho da Grã-Bretanha, ameaçou o Oriente Médio e sua ideologia capturou a imaginação de muitos seguidores – muitos deles de nações ocidentais. 

Seu flagelo pela Síria e pelo Iraque mudou a face do Oriente Médio. Ao mesmo tempo, milhões estavam sob o calcanhar de sua bárbara lei da Sharia.

O ISIS atacou particularmente os cristãos e dezenas de milhares tiveram várias opções: deixar suas casas em que viveram por anos ou gerações, ficar e pagar o imposto muçulmano para os não-crentes chamados Jiza, ou morrer à espada – muitos morreram. 

Talvez o mais infame tenha sido o assassinato em massa de vinte egípcios em uma praia na Líbia, gravada em vídeo como se fosse um filme. Outros grupos étnicos como os Yazidis foram massacrados. 

Al-Baghdadi e seu infame legado marcou a vida de milhões de pessoas que fugiram, foram mortas ou ficaram sob o domínio de suas mensagens cheias de ódio.

O assassinato de Al-Baghdadi marca o fim de uma era na luta contra o ISIS, mas não o fim da batalha contra o terrorismo islâmico, que eles dizem ser uma guerra geracional que precisa de corações e mentes para se afastar dessa ideologia mortal e perigosa. 

Fonte: CBNNews / Chris Mitchell
 

DEIXE UM COMENTÁRIO 
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram“O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui