Justiça do Rio proíbe cultos da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo durante pandemia
Pastor Silas Malafaia, líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo | Foto: Reprodução

Em caso de descumprimento, a igreja pode ser multada em R$ 10 mil.

A Justiça do Rio determinou, na última quinta-feira (9), que a Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, liderada pelo pastor Silas Malafaia, não realize cultos durante a pandemia do coronavírus.

A decisão é do desembargador Agostinho Teixeira, do Tribunal de Justiça do RJ, que acolheu recurso do Ministério Público. Em caso de descumprimento, a igreja pode ser multada em R$ 10 mil.

O magistrado escreve que não discute “se a fé é essencial à existência humana nem se os templos prestam serviços imprescindíveis”. Mas afirma que o distanciamento social é necessário. No processo, o pastor Silas Malafaia também é citado.

“Penso que, nesse estado de crise, sem precedentes, as igrejas também devam suspender as suas atividades presenciais, resguardando assim a saúde e o direito fundamental à vida”, determinou Agostinho Neto.

A ação é um desdobramento de um pedido do Ministério Público, no mês passado, para que templos religiosos se abstivessem de promover cultos durante a pandemia. Na ocasião, o juiz Marcello de Sá Baptista rejeitou, e o Ministério Público recorreu.

No recurso, o Ministério Público sustenta que o pastor Silas Malafaia teria manifestado publicamente a intenção de descumprir as medidas restritivas de aglomeração de pessoas.

Os procuradores chegaram a pedir que as licenças de igrejas fossem suspensas, em caso de descumprimento, e que a força policial fosse usada para impedir os cultos. Esse pedido foi negado.

“A suspensão das licenças de funcionamento das igrejas e o destaque de força policial seriam medidas desproporcionais nesta fase processual”, rejeitou o desembargador.

Decreto proíbe aglomeração

Um decreto publicado no mês passado pelo governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), determinou a suspensão da “realização de eventos e atividades com a presença de público, ainda que previamente autorizadas, que envolvem aglomeração”. A partir daí o decreto exemplifica as proibições, como evento esportivo, show e passeata. A lei não cita igrejas.

A assessoria de imprensa do governo, no entanto, esclareceu à época que a suspensão se estenderia às igrejas por se encaixar no trecho “atividades com presença de público (…) que envolvem aglomeração”.

O desembargador avança citando um decreto do presidente Jair Bolsonaro que incluiu igrejas como serviços essenciais, permitindo que ocorressem mesmo em meio à pandemia.

Entretanto, o magistrado leva em consideração uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que reconhece a competência dos estados para adotar medidas restritivas “independentemente de superveniência de ato federal em sentido contrário”.

Isso significa, segundo o desembargador, que o decreto de Witzel contra aglomerações pode se sobrepor ao de Bolsonaro que permite a realização normal de cultos. Com base nisso, ele determinou a suspensão dos cultos da igreja de Silas Malafaia.

O que diz a decisão do STF

Ministro Alexandre de Moraes: “Não compete ao Poder Executivo federal afastar, unilateralmente, as decisões dos governos estaduais, distrital e municipais que, no exercício de suas competências constitucionais, adotaram ou venham a adotar, no âmbito de seus respectivos territórios, importantes medidas restritivas como a imposição de distanciamento/isolamento social, quarentena, suspensão de atividades de ensino, restrições de comércio, atividades culturais e à circulação de pessoas, entre outros mecanismos reconhecidamente eficazes para a redução do número de infectados e de óbitos, como demonstram a recomendação da OMS (Organização Mundial de Saúde) e vários estudos técnicos científicos”.

Fonte: G1

Colabore com o trabalho do portal Seara News, contamos com seu apoio para ampliar e fortalecer nossa atuação, acesse agora apoia.se/searanews e faça sua doação.

Seara News 25 anos

DEIXE UM COMENTÁRIO ABAIXO
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram
“O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”

1 COMENTÁRIO

  1. O Pr. Silas irritou muita gente importante é poderosa com seu jeito peculiar, como fosse um touro em uma casa de porcelana chamou Governadores e prefeitos de mentirosos, corruptos que apenas usaram o estado de calamidade pública pra comprar sem licitação, suspender pagamentos de dividas e abocanhar uma parcela de dinheiro junto a União. Se eu me lembro de tudo isso sendo de outro estado que não é o Rio de Janeiro imagine parte da população , políticos e magistrados. Claro que ele higienizou toda sua igreja com o mesmo produto que os chineses e com o qual algumas prefeituras (inclusive a de São Paulo) estão utilizando em torno dos hospitais, vias públicas e meios de transporte, mas, já era tarde sua abordagem mediante a situação deveria ter sido mais sútil, aliás consultando seus pares ao invés de “falar por todos” nessa cruzada quase insana.

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui