Judeus reivindicam estabelecimento de sinagoga no Monte do Templo
Monte do templo, em Jerusalém. (Foto: Reprodução/GTV)

Grupo quer que Monte do Templo seja declarado como o lugar mais sagrado para o povo judeu.

Ativistas que defendem os direitos israelenses no Monte do Templo realizaram uma reunião de emergência na noite de domingo (03) para discutir a recente ocupação ilegal do complexo Sha’ar HaRachamim (Porta Dourada), além da exigência de uma resposta israelense contra as decisões do Waqf islâmico, entidade encarregada de administrar os edifícios muçulmanos no Monte do Templo.

As tensões se agravaram pela decisão dos muçulmanos de construir uma nova mesquita na estrutura da Porta Dourada, um dos oito portões das muralhas da Cidade Velha de Jerusalém.

A área da Porta Dourada está fechada sob ordem judicial desde 2003, depois de ter sido usada para terrorismo, mas os militantes Waqf e muçulmanos acessaram o local e estabeleceram ali outra mesquita, a quinta no Monte do Templo.

Diversos ativistas israelenses participaram da reunião para avaliar a situação urgente, na qual pediram visitas dos israelenses em massa ao Monte do Templo nesta quinta-feira (07) “para fortalecer o poder judaico no local sagrado”.

Eles também reivindicam o estabelecimento de uma sinagoga no Monte do Templo.

Por causa do que chama de “violação do status quo no Monte do Templo”, os ativistas pediram a implementação da exigência de longa data feita pelos rabinos e encabeçada pelo falecido rabino Mordechai Eliyahu para estabelecer uma sinagoga no Monte do Templo, no Portão Dourado, área na qual os muçulmanos estabeleceram recentemente outra mesquita.

A assembleia também fez um apelo para que o Waqf seja declarado uma organização ilegal e banida do Monte do Templo.

Os participantes da reunião de emergência também pediram aos partidos políticos israelenses que exijam a permissão da oração judaica no Monte do Templo como pré-condição para qualquer acordo de coalizão.

Finalmente, os ativistas convocaram o governo para promulgar os regulamentos necessários para definir o Monte do Templo como o local mais sagrado para o povo judeu e estabelecer os regulamentos necessários para a oração dos judeus no Monte do Templo.

Os judeus são banidos de qualquer forma de oração no Monte do Templo, e qualquer tentativa de fazer isso por um judeu é prontamente frustrada pelo Waqf e pela polícia e pode terminar com a prisão do adorador judeu.

A área do Portão Dourado, conhecida pelos muçulmanos como Bab al-Rahma, permanece aberta apesar das tentativas dos israelenses de fechá-la e de violar uma ordem judicial.

Os muçulmanos veem a reabertura da área como uma demonstração de desafio contra Israel, e sem resposta israelense a essa mudança do status quo no Monte do Templo, uma vitória sobre a presença de Israel em Jerusalém.

A liderança muçulmana alega que Israel quer manter o Portão Dourado fechado para os muçulmanos “para dar aos fanáticos judeus, que pedem a reconstrução de seu templo dentro do complexo de Al-Aqsa, livre acesso e presença na área”.

Os muçulmanos, assim como a organização terrorista Hamas, ameaçaram uma explosão de violência se Israel tentar fechar a área.

No domingo, a polícia israelense entregou ao presidente do Conselho Waqf em Jerusalém, xeque Abdul-Azim Salhab, uma ordem proibindo que ele entrasse no complexo da mesquita de Al-Aqsa por 40 dias, o mais recente líder muçulmano a receber tal ordem após a agitação no Monte do Templo.

Mais tensão entre israelenses e palestinos

O Ministério das Relações Exteriores da Autoridade Palestina (AP) “condenou nos termos mais fortes” a proibição “arbitrária” das autoridades israelenses sobre a entrada de funcionários Waqf como “uma escalada perigosa destinada a impedir o acesso de muçulmanos adoradores à mesquita e minar o papel e trabalho do Waqf”.

O ministério em uma declaração na segunda-feira (04) alegou que “Israel tenta esvaziar a mesquita de cidadãos palestinos e adoradores muçulmanos”, que ele enfatizou como parte de seus planos para impor a divisão temporal de al-Aqsa até que seja espacialmente dividido.

O ministério alertou para as repercussões das “medidas arbitrárias israelenses contra a mesquita de al-Aqsa”, que afirmou “vêm no contexto da judaização e alteração do caráter e da identidade da cidade de Jerusalém”.

Fonte: Guiame

 

______________________________________________________
Siga Seara News no 
Twitter, no Facebook e Instagram

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui