Jornada Mundial da Juventude 2013

0
26

Jornada Mundial da Juventude - Rio 2013

A XXVIII Jornada Mundial da Juventude acontecerá de 23 a 28 de julho de 2013 na cidade do Rio de Janeiro

Por Paulo Pontes | Seara News

Foi em maio de 2007, durante a visita do papa Bento XVI ao Brasil, que a Igreja Católica Brasileira se manifestou disposta em sediar uma edição da Jornada Mundial da Juventude. Na ocasião acontecia o encontro com os jovens no estádio do Pacaembú e Dom Eduardo Pinheiro era o responsável pelo setor Juventude da CNBB.

Mas só em agosto de 2011 é que o papa anunciou que 28ª edição da Jornada da Juventude seria realizada no Brasil, escolhendo a cidade do Rio de Janeiro para sediar o evento.

O papa também escolheu o tema para esta edição da JMJ: “Ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações!” (Mateus 28.19).

Com antecedência de quase dois anos os símbolos das JMJ’s foram recebidos no Brasil, em setembro de 2011, e o evento “Bote Fé”, que ocorreu em São Paulo-SP, deu início à peregrinação dos símblolos pelas dioceses brasileiras e de outros países vizinhos, como Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai.

Imprevisibilidade

Este é o maior encontro católico do mundo, que trará o papa Francisco ao Brasil, em sua primeiro viagem internacional desde a sucessão. Para o presidente da Rio Eventos, Leonardo Maciel, considerando o calendário de eventos de grandes proporções e visibilidade a Jornada mundial da Juventude será o evento mais complexo do Rio de Janeiro. Numa entrevista ao site de Veja, afirmou que a JMJ “o evento da imprevisibilidade e representa desafio maior do que o da Copa e da Olimpíada”. Justifica que a dificuldade em estimar o número de participantes, somada às inscrições feitas em última hora, e à hospedagem são alguns complicadores que tornam a JMJ “imprevisível”. (Leia a entrevista completa).

Protestos

O governo brasileiro está preocupado com o impacto à visita do papa ao Rio. A presidente Dilma Rousseff reuniu nesta sexta-feira (21) ministros para avaliar o impacto dos protestos pelo país. A JMJ marcará a primeira visita do papa Francisco ao Brasil desde que assumiu o pontificado, em março deste ano. Durante o evento, que ocorrerá de 23 a 28 de julho, são esperados mais de 2,5 milhões de jovens católicos no Rio de Janeiro.

O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, externou nesta sexta-feira a preocupação do governo federal com a realização da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), agendada para julho no Rio de Janeiro. "Temos de estar preparados para a jornada ocorrer inclusive em um clima com manifestações no país", disse.

O mininstro Gilberto Carvalho disse que o governo está disposto a ouvir os manifestantes que têm tomado as ruas do país, mas classificou de "irresponsáveis e lamentáveis" os atos de vandalismo ocorridos nos protestos. "O que está nos preocupando nos últimos momentos é que as manifestações acabam sendo palco para manifestações de um tipo de expressão lamentável e irresponsável de vandalismo, que nós não podemos aceitar", afirmou o ministro.

O que diz a Igreja Católica

searanews-dom_oraniA um mês da Jornada Mundial da Juventude e em meio às manifestações ocorridas em todo o país, de acordo com o portal G1, a organização da JMJ se pronunciou nesta sexta-feira (21) e garantiu que os preparativos continuam para a visita do Papa Francisco ao Rio de Janeiro e a Aparecida, em São Paulo. Destacando que "o desejo de construir uma civilização melhor, levado às ruas pelos jovens faz parte do espírito da Jornada e que o Rio de Janeiro é historicamente uma cidade engajada nas lutas por melhorias para seu povo". A organização falou ainda sobre os esforços que estão sendo feitos na área de segurança para o evento.

O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Raymundo Damasceno Assis, disse não estar preocupado que as manifestações atrapalhem a realização da Jornada Mundial da Juventude. A programação da jornada, afirmou, está mantida.

O cardeal afirmou que “uma ou outra manifestação que possa ocorrer” será “normal”. “Isso tem ocorrido em outros países nessa mesma ocasião”, disse.

Estatísticas

Encontro da Igreja Católica vai acontecer em região na qual 36,4% da população é protestante, segundo levantamento da prefeitura do Rio.

Quando o assunto é religião, Santa Cruz (bairro que será palco da JMJ – Jornada Mundial da Juventude) tem uma peculiaridade em relação ao resto do Rio de Janeiro. A região de planejamento a qual a área pertence é a única da cidade onde o número de evangélicos é maior do que o de católicos.

De acordo com O Globo, os protestantes são 36,4% dos moradores do bairro – enquanto católicos somam 32,7% do total. Os números foram levantados pelo Instituto Pereira Passos, órgão ligado à prefeitura do Rio. A proporção de evangélicos também é alta em outros bairros da cidade como Campo Grande (36,4%) e Pavuna (32,7%). Segundo o levantamento, o município registrou quedas no número de fiéis que seguem o papa entre 2000 e 2010.

Antes, os católicos eram 61,2% da população; Em 2010, eles totalizavam 51,6%. No mesmo período, evangélicos tradicionais (como luteranos e calvinistas) encolheram de 5,4% para 3,8% da população.

Vinculados a denominações como Assembleia de Deus e Igreja do Evangelho Quadrangular, os pentecostais subiram de 11,3% para 12,6%. Já os neopentecostais (ligados a igrejas como Mundial e Universal) eram 1% há 33 anos e hoje representam uma parcela sete vezes maior da população carioca.

Entretanto, a religiosidade anda mesmo em baixa no estado do Rio. Entre as 20 cidades menos religiosas do Brasil, duas são fluminenses. Situada na região metropolitana da capital, Japeri é a décima colocada.

Paulo Pontes – Seara News | Com informações de Veja, G1 e Exame

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Escreva seu comentário!
Por favor, digite seu nome