Imprensa de Portugal ignora celebração do Centenário da Assembleia de Deus no país

3
56

A comemoração do Centenário da Assembleia de Deus em Portugal foi ignorado pela mídia.

Por Paulo Pontes | Seara News

A imprensa de Portugal simplesmente ignorou a comemoração do Centenário da Assembleia de Deus no país por se tratar de um evento evangélico, de acordo com a nota divulgada.

Imprensa de Portugal - Centenário da Assembleia de DeusA CADP – Convenção das Assembleias de Deus em Portugal, através da sua assessoria de imprensa, em nota especial manifestou insatisfação pelo tratamento dado pela rede de comunicação do país durante a realização da comemoração do centenário da denominação, destacando a rede pública de Televisão a RTP1.

De acordo com a nota, a comemoração dos Cem Anos da Assembleia de Deus em Portugal ocorrida no último dia 10 de junho foi simplesmente ignorada por se tratar de um evento evangélico.

A direção do evento informou que todos os órgãos de comunicação social foram contatados com antecedência, através de uma ampla lista de contatos, e da presença constante nas redes sociais durante o evento, e mesmo assim não tiveram conhecimento de qualquer reportagem ou notícia dos mesmos, exceto de algumas mídias evangélicas e do programa "Luz das Nações", da AEP.

Também agradeceu os irmãos que foram credenciados pela direção da CADP e outros que fizeram reportagem fotográfica, enviaram as fotos originais consideradas importantes. Pediu ainda que se algum dos irmãos tiver conhecimento de notícias na mídia acerca do Centenário, que façam chegar os respectivos links aos organizadores do evento.

Leia a nota integralmente:

COMUNICAÇÃO SOCIAL IGNORA COMEMORAÇÕES DO CENTENÁRIO DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS EM PORTUGAL COM PARTICULAR DESTAQUE PARA A TELEVISÃO PÚBLICA RTP1

Lisboa, 13 de junho de 2013

No último dia 10 de junho, a Convenção das Assembleias de Deus em Portugal realizou, no Pavilhão Multiusos de Odivelas, um evento nacional, que envolveu as regiões autônomas e os vários núcleos da imigração portuguesa, celebrando o centenário da sua existência em Portugal. Estiveram reunidas mais de seis mil pessoas com uma significativa representação dos países de expressão portuguesa.

Estiveram ainda presentes as seguintes personalidades: Dr. Renato Gonçalves, em representação da Ministra da Justiça; Dr. Rui Nascimento, Presidente da Municipália; Dr. Fernando Loja, em representação da Comissão da Liberdade Religiosa; Presidente da Comunhão Mundial das Assembleias de Deus, Dr. George Wood; Presidente da Aliança Evangélica Portuguesa, Pr. Jorge Humberto; representantes das congéneres em vários pontos do globo, e alguns representantes dos Organismos de Cooperação de Igrejas em Portugal.

Foram oradores George Wood, Presidente da Comunhão Mundial das Assembleias de Deus, e Luís Reis, Presidente da Mesa Diretora da Convenção das Assembleias de Deus em Portugal. Apresentaram saudações o representante dos países de língua oficial portuguesa – PALOP, Tiago Manhiça (Presidente das Assembleias de Deus em Moçambique); Juan Carlos Escobar (Presidente das Assembleias de Deus em Espanha, em representação da Aliança das Assembleias de Deus na Europa do Sul); Arto Hamalaian (Presidente da PEF, Comunhão Pentecostal Europeia, e da PEM, Missão Pentecostal Europeia); e o Dr. George Wood (Presidente da Comunhão Mundial das Assembleias de Deus).

No mundo inteiro, as Assembleias de Deus são o maior movimento evangélico, que reúne mais de 600 milhões de membros, estimando-se que em 2025 serão mais de um bilhão. O movimento pentecostal é o que mais cresce em todo o mundo. Em Portugal, as Assembleias de Deus formam a principal denominação evangélica membro da Aliança Evangélica Portuguesa com 480 comunidades, 25 mil congregados (de todas as faixas etárias) e uma influência de 100 mil pessoas, com cerca de 150 líderes e 60 missionários.

Antecipadamente, foram informados pelo Gabinete de Imprensa os vários meios de comunicação social escrita, radiofônica e televisiva, que uma vez mais não deram qualquer cobertura ao evento. Não podemos deixar de manifestar o nosso veemente protesto principalmente quando esta postura é uma demonstração de discriminação perante a cobertura que é dada às realizações promovidas pela confissão religiosa majoritária.

É escandalosa a atuação principalmente por parte da RTP1, que pura e simplesmente não fez qualquer referência à data e às comemorações da mesma. Para que conste, informamos que, com antecedência, anunciamos a cobertura, no nosso entender excessiva, que foi dada às peregrinações a Fátima, quando a televisão pública destacou uma equipe para durante vários dias acompanhar um grupo de peregrinos com reportagens transmitidas nos dois telejornais e, uma vez mais, à semelhança dos anos anteriores, as liturgias são transmitidas em direto e na sua totalidade, bem como alvo de amplos tempos de reportagem, quando não mesmo de transmissão de vídeos sobre a devoção, melhor dizendo, culto mariano. Nessa altura, chamamos a atenção para a nossa expectativa legítima que a celebração do centenário das Assembleias de Deus em Portugal deveria ter por parte desta estação.

Insurgimo-nos contra os critérios de discriminação que a RTP usa em relação às minorias religiosas. Temos que ser claros afirmando que se trata de uma afronta a milhares de portugueses, cidadãos de pleno direito, que, com o seu trabalho e ação social, contribuem para mitigar os momentos difíceis que o país atravessa. Temos que dizer frontalmente que é inadmissível. Apelamos aos responsáveis da RTP1 verifiquem o que se passa, revejam os seus critérios nos próximos dias e, pelo menos, tentem reparar o erro, fazendo uma reportagem sobre esta marcante data do centenário das Assembleias de Deus em Portugal.

Poder-se-ia invocar que não foi dada a devida atenção à divulgação junto dos órgãos de comunicação social, mas tal não corresponde à verdade dos fatos. Inclusivamente, foi editado um número especial da revista oficial das Assembleias de Deus – Novas de Alegria, que foi remetida a alguns dos meios de comunicação.

Para os membros das Assembleias de Deus, em particular, e para a comunidade evangélica, em geral, queremos também adiantar que não nos surpreende que os meios de comunicação secular não dêem cobertura à proclamação do evangelho de Jesus Cristo, como único e suficiente Salvador e Senhor, única e exclusivamente pela graça, por meio da fé, repudiando o comércio religioso, a idolatria, a religiosidade e espiritualidade meramente nominais ou culturais. Isto significa que é nossa responsabilidade investir nos nossos próprios meios de comunicação e aproveitar as potencialidades que as redes sociais nos oferecem, concentrando-nos no essencial do amor e do poder de Deus para a reconciliação, libertação e transformação de todos os que crêem em Jesus Cristo, se arrependem e convertem dos seus pecados, determinados e comprometidos a viver uma nova vida de amor a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmos.

Gabinete de Imprensa da Convenção das Assembleias de Deus em Portugal

_____________________________________
​Por Pr. Paulo Pontes / Seara News

Obs.: É permitido a copia para republicações, desde que cite o autor e as respectivas fontes principais e intermediárias, inclusive o Seara News informando o link www.searanews.com.br. Mais informações em nossa página: “Jurídico”.

3 COMENTÁRIOS

  1. As informações que nos chegam quanto ao continente europeu em se tratando de cristianismo são frustrantes. Uma sociedade cética, apegada ao materialismo e influenciada por filosofias de descrença em Deus. Não me admira tal atitude frente à essa comemoração que deveria ser tão significativa para os portugueses. O descaso midiático é apenas uma faceta da tremenda crise espiritual de que atravessam – as coisas de Deus não tem importância para quem O ignora. Mas Glória ao Senhor Dono daquela grande obra, afinal as Assembléias de Deus são o que são hoje no continente não por conta da mídia, mas do Poder do Evangelho de Cristo!

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Escreva seu comentário!
Por favor, digite seu nome