Hanseníase: conheça os sintomas e o tratamento para a doença
Machas na pele podem ser sinal de hanseníase. Em caso de suspeita, procure uma unidade básica de saúde | Foto: SMS de Mesquita/RJ

A doença tem cura e o tratamento é disponibilizado de forma gratuita pelo Sistema Único de Saúde (SUS)

No último domingo do mês de janeiro é celebrado o Dia Mundial de Luta Contra a Hanseníase. A doença é provocada pelo agente Micobacterium leprae, e atinge peles e nervos, podendo causar incapacidades físicas permanentes, especialmente nas mãos, pés e olhos.

O Brasil é o segundo país com mais casos da doença no mundo, ficando atrás apenas da Índia. Por ano, são registrados cerca de 30 mil casos no país, incluindo adultos e crianças. Apesar de ser uma enfermidade antiga, com registros de 600 anos antes de Cristo, ainda hoje ela é uma preocupação para as autoridades de saúde pública.

A doença se manifesta na pele em forma de manchas esbranquiçadas, amarronzadas e acastanhadas. E gera uma alteração de sensibilidade. “É a única doença dermatológica que tem alteração de sensibilidade. Então, pode ser que essa sensibilidade esteja totalmente anestésica/insensível ou pode estar apenas alterada. A gente espeta a mancha e a pessoa não sentirá. Também há sinais e sintomas neurológicos como formigamento, mão dormente, pé dormente, que podem indicar hanseníase”, explicou a coordenadora de Vigilância da Doenças em Eliminação do Ministério da Saúde, Carmelita Ribeiro Filha.

A hanseníase tem cura e o Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza diagnóstico e tratamento gratuitamente. Para identificar a doença, é feito um exame para detectar lesões ou áreas de pele com alteração de sensibilidade e/ou comprometimento de nervos periféricos, responsáveis pela parte motora e sensitiva dos membros superiores e inferiores do corpo. O tratamento é chamado de poliquimioterapia (PQT), sendo composto por uma associação de antibióticos. E é feito com a tomada de doses mensais em unidades de saúde e em casa.

Transmissão

A transmissão da doença ocorre quando uma pessoa com hanseníase, que não faz o tratamento, elimina no ar, por meio da fala, tosse, espirro, o microrganismo, infectando outras pessoas. A doença pode acometer pessoas de ambos os sexos e de qualquer idade. Entretanto, é necessário um longo período de exposição à bactéria, sendo que apenas uma pequena parcela da população infectada realmente adoece.

O período de incubação da doença, ou seja, tempo em que os sinais e sintomas se manifestam desde a infecção, dura em média de 2 a 7 anos. Assim que os sinais aparecem, progridem lentamente.

“A hanseníase não mata, mas pode causar incapacidade física. Por isso, a pessoa deve procurar uma unidade básica de saúde assim que surgirem os primeiros sintomas”, concluiu a coordenadora Carmelita.

Sinais e sintomas

  • Manchas esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas em qualquer parte do corpo, com perda ou alteração de sensibilidade térmica (frio e calor), tátil (ao tato) e à dor.
  • Podem surgir, principalmente, nas extremidades das mãos e dos pés, na face, nas orelhas, no tronco, nádegas e pernas;
  • Áreas apresentam diminuição dos pelos e do suor;
  • Dor e sensação de choque, formigamento, fisgadas e agulhadas ao longo dos nervos dos braços e pernas;
  • Inchaço de mãos e pés;
  • Diminuição da sensibilidade e/ou da força muscular da face, mãos e pés, devido a inflamação de nervos;
  • Surgimento de úlceras de pernas e pés;
  • Febre, edemas e dor nas articulações;
  • Sangramento no nariz;
  • Ressecamento nos olhos.
Com informações do Ministério da Saúde
Fonte: Governo do Brasil

DEIXE UM COMENTÁRIO
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram
“O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”
.
Seara News 25 anos

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui