Franklin Graham alertou para o perigo de obscurecer a singularidade de Cristo

Franklin Graham repudia oração muçulmana na Catedral de Washington
Franklin Graham, filho do evangelista Dr. Billy Graham

Por Paulo Pontes / Seara News

Franklin Graham, que é amplamente respeitado como o herdeiro de seu pai, o evangelista Billy Graham, que não hesita em falar a verdade sobre Deus. Por isso a sua reação não foi uma surpresa, ao ver princípios cristãos serem comprometidos mais uma vez, em nome do ecumenismo.

Franklin Graham reagiu severamente contra a Catedral Nacional de Washington, uma igreja cristã, marco na capital dos Estados Unidos, que permitiu aos muçulmanos realizarem sua primeira reunião de oração no santuário, na sexta-feira.

Os muçulmanos, em grupos separados de homens e mulheres, tiraram os sapatos, espalharam seus tapetes de oração voltada para o leste em direção a Meca, virando as costas à cruz, ajoelharam-se e fizeram suas orações.

Franklin Graham postou no Facebook e também falou com a imprensa registrando seu descontentamento extremo que uma catedral cristã – por muito tempo um marco Washington, de bom grado ser entregue aos muçulmanos pela liderança episcopal da Catedral.

O filho do evangelista Dr. Billy Graham, um dos líderes cristãos mais importantes da América, alertou para o perigo de obscurecer a singularidade de Cristo, quando escreveu em sua página no Facebook: “É triste ver uma igreja abrir as suas portas ao culto de qualquer outra coisa que o único Deus verdadeiro da Bíblia, que enviou o Seu Filho, o Senhor Jesus Cristo, à terra para nos salvar dos nossos pecados. Jesus foi claro quando disse: “Eu sou o caminho a verdade e a vida. Ninguém vem ao pai senão por mim” (João 14.6).

Dos muitos comentários sobre o post, Carol Layaog escreveu: “O Senhor nos disse que estas coisas deveriam acontecer. Nos últimos dias eles vão chamar o mal de bem e o bom eles vão chamar de mau! Isso não torna menos doloroso! Jesus veio para os seus e os seus não o conheceram!”

Algumas pessoas sugeriram que cristãos e muçulmanos servem ao mesmo Deus. Franklin Graham discordou fortemente – como fez Christine Weick, 50, uma mulher de Michigan, que se levantou entre os manifestantes, e gritou: “Jesus Cristo morreu na cruz, Ele é a razão e devemos adorar somente a Ele. Jesus Cristo é nosso Senhor e Salvador. Temos permitido as suas mesquitas neste país, e por que vocês não adoraram em suas mesquitas e deixem nossas igrejas? Somos um país fundamentado em princípios cristãos”. Christine foi conduzida para fora da catedral por agentes que segurança e entregue à polícia, que a liberou sem acusações. “Eu não fiz isso por mim, fiz pelo Senhor”, disse ela.

O embaixador sul-Africano para os Estados Unidos, Ebrahim Rasool, que é muçulmano, em seu sermão na catedral pregou a liberdade religiosa e declarou os extremistas muçulmanos como uma perigosa ameaça para o mundo. “Eles invadem terras, decapitam jornalistas, executam civis e declaram guerra a quem é diferente para eles”, disse.

Rasool e o Rev. Canon Gina Campbell da Catedral Nacional organizaram o ato muçulmano, com a ajuda do All Dulles Area Muslim Society, Council on American-Islamic Relations, Islamic Society of North America, Muslim Public Affairs Council and The Nation’s Mosque.

Franklin Graham repudia oração muçulmana na Catedral de Washington
Os muçulmanos, em grupos separados de homens e mulheres, tiraram os sapatos, espalharam seus tapetes de oração voltada para o leste em direção a Meca, virando as costas à cruz, ajoelharam-se e fizeram suas orações.

Campbell saudou o encontro religioso, dizendo que a Catedral Nacional de Washington era “um lugar de oração para todos os povos”. “Vamos alargar nossos corações e vamos procurar intensificar a misericórdia porque nós adoramos o mesmo Deus”, disse.

Paulo Pontes,
com informação de Charisma News e Christian Today

2 COMENTÁRIOS

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui