Era cristão o jornalista japonês decapitado pelo Estado Islâmico
O jornalista japonês Kenji Goto era cristão (foto reprodução)

Kenji Goto, o jornalista japonês decapitado pelo chamado Estado Islâmico, era cristão. E foi o seu desejo de dar voz aos últimos que o levou a trabalhar na Síria. No novo drama da loucura fundamentalista há um aspecto que alude à fé religiosa. Kenji Goto pertencia à pequeníssima comunidade cristã do Japão, que representa menos de 1% da população do país.

A reportagem é de Giorgio Bernardelli, publicada por Vatican Insider, 01-02-2015. A tradução é do Cepat.

Originário de Sendai, de 47 anos, Goto se converteu ao cristianismo em 1997, quando já era jornalista. Entrou para fazer parte da United Church of Christ of Japan, a maior confissão evangélica japonesa, que tem ao redor de 200.000 fiéis. Frequentava a comunidade de Den-en-chõfu, na periferia de Tóquio.

- Publicidade -

Sua fé cristã, unida a uma grande sensibilidade a respeito do tema da paz (muito difundida entre os cristãos japoneses), orientou inclusive sua atividade profissional. Criou uma sociedade de produção independente que se concentrava principalmente nas crianças vítimas da guerra. Em suas reportagens se ocupava dos meninos soldados de Serra Leoa, do conflito de Ruanda, da condição das meninas no Afeganistão. Viajou a Síria em outubro do ano passado, com a intenção de intermediar a libertação do outro refém japonês do Estado IslâmicoHarun Yukawa, que foi decapitado dias antes que ele.

“Antes de viajar a Síria – disse Atsuyoshi Fujiwara, pastor de Tóquio, à agência evangélica Christianity Today -, Kenji deixou uma vídeo-mensagem na qual se dizia consciente do fato de que sua intenção era muito arriscada e assumia completamente a responsabilidade por suas ações”. Também havia declarado a uma revista japonesa: “Vi coisas e lugares horríveis, e também arrisquei a vida, mas sei que de qualquer maneira Deus me salvará”.

A missão do jornalista na Síria causou perplexidades no Japão. Quando o chamado Estado Islâmico mostrou as imagens de Goto e Yukawa juntos, os pais de ambos pediram perdão publicamente pelo possível desgosto criado no Japão. A reação inicial no país, apontou Christianity Today, citando suas fontes locais cristãs, foi que ambos só haviam se metido em problemas e que não deveriam ter ido para onde foram. “Mas quando se soube que Goto era um cristão e que aquilo que o motivava era dar voz aos meninos vítimas das guerras – disse a agência -, isto permitiu que angariasse alguns pontos a favor. Entenderam que não era um aventureiro”.

Fonte: IHU

4 COMENTÁRIOS

  1. Um dia, num futuro próximo, serão compostas e cantadas canções, tais como:

    “Sempre vou lembrar da coragem, do amor
    Da firmeza e vontade, da fé e devoção
    Da igreja do tempo de Paulo, de Pedro e João
    Que enfrentaram a fúria de Roma
    Mas nunca negaram sua fé de cristãos
    É um exemplo pra mim, verdadeira lição
    Eu queria ver a bravura dos santos em plena arena
    Enfrentando os leões
    Quanto mais a fogueira queimava
    Mais se ouvia o louvor dos nossos irmãos
    Sob o sangue, tombavam nas ruas
    Chegavam no céu com a vitória nas mãos
    É um exemplo pra mim, verdadeira lição

    Oh, meu Deus, reaviva tua igreja de novo
    Faz a chama arder nesse povo
    Como foram os primeiros cristãos
    Oh, meu Deus, reaviva tua igreja de novo
    Faz a chama arder nesse povo
    Começando em meu coração
    Começando em meu coração”

    Composição: Elizeu Gomes

    #OremosPelosNossosIrmaos
    #oremospornossosirmaos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui