Elias e os Profetas de Aserá e Baal

Elias foi um profeta corajoso e exemplar, tornou-se a pessoa mais qualificada para ser o protótipo do precursor de Cristo. Falou ao rei Acabe e denunciou a impiedade de Israel. (Ml 4.5,6; Lc 1.17). Era um verdadeiro “homem de Deus”, falava, com ousadia, não para agradar às multidões, mas como um servo fiel a Deus (Gl 1.10; 1 Ts 2.4; Lc 1.17). Assim como Elias foi chamado para mostrar quem é o verdadeiro Deus de Israel, todos nós cristãos, somos chamados para defender o evangelho de Cristo contra possíveis distorções, transigência com o mal e desvios doutrinários (Fp 1.17; Jd v. 3).

I – O DESAFIO NO MONTE CARMELO

1. O zelo de Elias o pôs diante de um confronto

O profeta Elias, propôs ao povo uma escolha definitiva entre seguir a Deus ou a Baal (Ez 20.31,39). Os israelitas achavam que podiam adorar a dois deuses ao mesmo tempo, querendo servir a dois senhores, o Deus verdadeiro e Baal. O pecado deles era o de terem o coração dividido (Dt 6.4,5). Entretanto, o próprio Cristo advertiu contra essa atitude fatal (Mt 6.24; Dt 30.19; Js 24.14,15).

- Publicidade -

2. O problema de não saber a quem adorar

Paulo escreveu aos Coríntios, advertindo-os sobre a adoração pagã, entretanto na Grécia antiga, havia ídolos nas esquinas das ruas e nas casas. Várias sociedades cívicas prestavam homenagem aos seus deuses favoritos. A idolatria viola a união do cristão com Cristo (1Co 10.21). Os ídolos em si mesmos não apresentam nenhuma ameaça (1Co 10.19); no entanto, o perigo são os demônios (1Co 10.20), que, sem serem percebidos pelos adoradores, estão camuflados cegando as pessoas e são os verdadeiros objetivos da adoração aos ídolos.

3. O desafio do fogo

No horário em que habitualmente o sacrifício da noite era oferecido, Elias orou, como uma pessoa obediente pode rogar, para que Deus pudesse responder, afastar o seu povo de Baal e Aserá, e trazê-lo de volta para Si. O Senhor respondeu a Elias, honrou os fiéis israelitas com a sua santa presença, consumindo a lenha, o sacrifício encharcado de água e o próprio altar. O povo, cheio de admiração e espanto, confessou o que todo homem deve confessar, quanto mais cedo na vida, melhor: “Só o Senhor é Deus! Só o Senhor é Deus!”

II. A ORAÇÃO DE ELIAS

1. Os preparativos de Elias

As doze pedras, que Elias usou simbolizavam as doze tribos de Israel, foram colocadas no altar com a finalidade de retratar o desejo de Deus para a unidade entre as tribos e o projeto de Deus para Israel.

2. Uma oração confiante

O objetivo de Elias no seu confronto com os profetas de Baal, e a oração que se seguiu, foi revelar a graça de Deus para com o seu povo. O desejo de Elias era que o povo se voltasse para Deus.

3. A misericórdia de Deus

A oração que Elias fez nos mostra uma fé ousada. Temos aqui um servo que faz tudo para a glória de Deus e a salvação de seu povo. O povo volta-se para Deus com arrependimento, reconhecendo que só o Senhor é Deus. Essa é a certeza de que Deus responde aos seus fiéis.

III. ELIAS EM HOREBE

1. Os feitos e a exaustão do profeta

Os profetas de Aserá ficaram vivos, pois não estavam presentes no momento em que os profetas de Baal foram mortos, isso pode ter sido a causa, o desânimo, enfim as razões que o levaram a empreender a longa jornada até Berseba, que ficava na extremidade sul de Judá. Elias aparentemente esperava que o rei exercesse sua autoridade e influência sobre Jezabel, para uma correção, mas, sem dúvida, ele não o fez.

2. O pedido para morrer

As necessidades de Elias eram evidentes, como as necessidades de outro homem qualquer (Tg 5.17), assim ele desejava se retirar para longe e ficar sozinho, ele se sentia tão deprimido a ponto de desejar que sua vida logo terminasse.

3. A resposta de Deus

Debaixo da sombra protetora de um zimbro, ou junípero, Elias se sentia desanimado, porém, Deus sabe, muito mais que a própria pessoa, o que é necessário, se é dormir, alimentar e até mesmo refletir. Entretanto, com o toque especial de Deus, e através do alimento trazido por um anjo, Elias se fortaleceu e pode fazer a longa jornada (280 quilômetros) em direção a Horebe, ao sul (ou Sinai). Através de uma fala delicada, era a maneira de Deus mostrar que seus desígnios podem ser cumpridos através da paciência e de um longo sofrimento. Às vezes, os homens de Deus encontram nesse exemplo uma lição difícil, porém, necessária.

CONCLUSÃO

Elias poderia ser chamado de “segundo Moisés”. Em Elias a força profética atingiu o seu clímax. Ele desempenhou o seu ministério com profundo zelo pela lei de Deus e pela glória de Jeová, e, assim, como Moisés, o seu ministério foi acompanhado de realização de milagres, entretanto, nenhum profeta veio supera-lo neste aspecto. Com veemência, condenou a apostasia e a iniquidade em Israel, e conclamou o povo a voltar-se para Deus, observando as suas leis, em um tempo de apostasia que veio atingir o máximo nos dias do rei Acabe e Jezabel.

Bibliografia
– O Novo Comentário Bíblico Antigo Testamento – Earl D. Radmacher Ronald B. Allen H.

– Comentário Histórico Cultural do Novo Testamento – Lawrence O. Richards – CPAD
– Comentário Bíblico Beacon – Josué a Ester – Vol.ll – CPAD
– Bíblia de estudo Pentecostal – CPAD
– IBADEP – Livros Historicos – Vol.VIII

DEIXE UM COMENTÁRIO
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram
“O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”
Se encontrou algum erro, ou deseja sugerir uma pauta, falar conosco. Clique aqui!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui