Dizem que 1º de Abril é o dia da mentira. Será verdade?

0
29

1º de Abril

De acordo com a bíblia, a mentira é um pecado.

O nono mandamento da lei de Moisés, condena um tipo específico de mentira: o falso testemunho, pois ele pode desvirtuar a justiça, causando prejuízos e destruindo vidas.

A mentira é um pecado geralmente usado para cobrir outros pecados. Como está escrito:

“Porquanto dizeis: Fizemos aliança com a morte, e com o inferno fizemos acordo; quando passar o dilúvio do açoite, não chegará a nós, porque pusemos a mentira por nosso refúgio, e debaixo da falsidade nos escondemos” (Is.28.15).

O problema é que esse refúgio não oferece segurança permanente. Sabemos que “a mentira tem pernas curtas” pois, mais difícil do que mentir é sustentar uma mentira. O primeiro engano cria a necessidade de uma série de artifícios para sustentá-lo, uma rede de ações e invenções que dá muito trabalho, mas acaba ruindo como um castelo de areia.

“A saraiva varrerá o refúgio da mentira, e as águas cobrirão o esconderijo. E a vossa aliança com a morte se anulará; e o vosso acordo com o inferno não subsistirá; e, quando o dilúvio do açoite passar, então sereis por ele pisados” (Is.28.17-18).

Então, a mentira dará lugar a duras consequências. Salomão escreveu: “Suave é ao homem o pão da mentira, mas depois a sua boca se encherá de cascalho” (Pv.20.17).

A palavra de Deus nos ensina a sermos verdadeiros, mas vivemos numa cultura onde os valores são invertidos. Algo semelhante já acontecia nos tempos bíblicos, como está escrito:

“Filhos dos homens, até quando convertereis a minha glória em infâmia? Até quando amareis a vaidade e buscareis a mentira?” (Salmo 4.2).

“Tu amas mais o mal do que o bem, e a mentira mais do que o falar a retidão” (Salmo 52.3).

A mentira é, muitas vezes, confortável e agradável. A verdade pode ser dolorosa. Como versa o ditado: “me engana que eu gosto” ou “mente pra mim, me ajuda a viver”.

Por isso, a verdade é rejeitada, conforme escreveu o profeta:

“Por isso o direito se tornou atrás, e a justiça se pôs de longe; porque a verdade anda tropeçando pelas ruas, e a equidade não pode entrar” (Is.59.14).

Precisamos nos lembrar de que Satanás é o pai da mentira, ou seja, ela é invenção dele (joão 8.44).

Ele é mentiroso desde o princípio e nunca se firmou na verdade. Entretanto, ele pode falar verdades e fala, quando lhe convém. Ele usa a verdade para o mal e é, nesses momento, que o inimigo se torna mais perigoso.

Hoje em dia, ouvimos frases perigosas, verdadeiras, e que podem nos destruir: “Você merece ser feliz”. “Igreja não salva”; “A bíblia foi escrita por homens”; “Você tem que realizar os seus sonhos”. Verdades mal colocadas podem ser mais perigosas do que a mentira.

O inimigo pode até falar verdades, mas Jesus é a verdade personificada. Ele disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, senão por mim” (João 14.6).

Pilatos perguntou a Cristo: “O que é a verdade?” (mas não esperou a resposta) (João 18.38). Sua pergunta foi uma evasiva filosófica. O questionamento de conceitos tem sido um modo de fuga muito utilizado na atualidade. Se um princípio cristão combate determinado pecado, então utiliza-se de subterfúgios filosóficos, etimológicos e humanistas para se escapar dos preceitos divinos. Não façamos tal coisa.

Se dissermos que nunca mentimos, estaremos mentindo mais uma vez. Entretanto, o Senhor nos perdoa e nos ensina:

“Por isso deixai a mentira, e falai a verdade cada um com o seu próximo; porque somos membros uns dos outros” (Ef.4.25).

Muitas mentiras são ditas todos os dias, mas não podemos pensar que isto seja algo normal. Brincar com a mentira é tão perigoso quanto brincar com fogo. Está escrito:

“Como o louco que lança de si flechas, e mortandades, assim é o homem que engana o seu próximo, e diz: Fiz isso por brincadeira” (Pv. 28.18-19).

“Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas. Ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira” (Apocalipse 22.15).

Anísio Renato de AndradePr. Anísio Renato de Andrade
Analista de Sistemas, bacharel em Teologia, pós-graduado em Gerência de Tecnologia da Informação, pastor auxiliar na Igreja Batista Getsêmani, Missão Buritis/BH, professor de hermenêutica, homilética e análise do NT na Escola Teológica Koinonia; ex-professor do Seminário Batista do Estado de Minas Gerais – SEBEMGE, e do Seminário Teológico Evangélico do Brasil – STEB.

______________________
Leia também: Mujin Hanbai

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Escreva seu comentário!
Por favor, digite seu nome