Cristãos no Irã continuam sendo alvos de perseguição
Maryam Falah e Sam Khosravi com a filha filha adotiva de dois anos, Lydia. O casal foi ameaçado de perder a guarda da criança, por serem cristãos. | Foto: Article 18

Relatório traz dados sobre a perseguição aos cristãos no país

Em 2020, os cristãos mantiveram-se no alvo da perseguição no Irã, principalmente os ex-muçulmanos, de acordo com relatório realizado pelo departamento de pesquisa da Portas Abertas, em parceria com organizações de liberdade religiosa como CSW, Middle East Concern e Article18.

Cristãos minoritários foram assediados de várias maneiras, incluindo ataques, interrogatórios, pressão para se retratar ou parar de conhecer colegas cristãos, fechamentos da igreja, vigilância, sentenças duras, fiança muito altas para aqueles que esperam o resultado de procedimentos judiciais e discriminação no emprego e na educação. A pressão fez com que muitos iranianos fugissem do país.

Pelo menos 115 cristãos iranianos foram presos por motivos religiosos, ou pela identidade cristã. Em 2020, os cristãos iranianos pagaram cerca de US,2 milhões de dólares (cerca de R$ 6,7 milhões de reais) em fiança e foram condenados a cerca de 1.760 meses de prisão, ao total. Um casal, Sam Khosravi e Maryam Falahi, foram ameaçados de perder a custódia da filha adotiva de dois anos, Lydia, pouco depois de serem condenados por um tribunal de “promover o cristianismo”, com base na literatura cristã e outros itens encontrados em suas casas.

- Publicidade -

Khosravi, juntamente com o irmão Sasan Khosravi e outros dois cristãos, Habib Heydari e Pooriya Peyma, foram considerados culpados de “propagar contra a república islâmica através da promoção do cristianismo” em julho passado. Com exceção de Pooriya, eles recorreram da decisão do tribunal, mas foram informados na semana passada que suas sentenças haviam sido mantidas. Os três homens passarão um ano na prisão, enquanto Pooriya passará 91 dias atrás das grades. As esposas de Sam e Sasam Khosravi e de Peyma devem pagar multas.

Os irmãos Khosravi foram condenados a mais dois anos no exílio após a pena de prisão, e estão proibidos de trabalhar no campo, que é o setor de hospitalidade. Maryam Falahi, esposa de Khosravi, também foi informada de que não tem mais permissão para trabalhar em nenhuma instituição nacional, incluindo o hospital local onde atuou nas últimas duas décadas. O casal ainda está lutando para manter a custódia da filha, Lydia, depois que eles foram informados em julho do ano passado que eles “não estavam aptos” para serem pais de uma criança que a lei considera ser muçulmana.

“Essas pessoas não fizeram nada que pudesse ser interpretado como propaganda contra o estado ou agir contra a segurança nacional, mas foram tratadas de forma tão injusta. A comunidade internacional deve responsabilizar o Irã por este erro de justiça, e muitos outros”, disse o diretor de Advocacia do site britânico Article18, Mansour Borji.

Participe do DIP 2021

Durante o Domingo da Igreja Perseguida (DIP) 2021, falaremos sobre os cristãos presos no Irã, Coreia do Norte e Eritreia. Esteja conosco nessa jornada de fé e oração pelos cristãos presos. Se você ainda não se cadastrou, não perca a oportunidade de envolver sua igreja nesse movimento de oração pela Igreja Perseguida. Peça autorização ao seu pastor, se cadastre em nosso site e tenha acesso aos materiais exclusivos e detalhes para realizar o evento.


DEIXE UM COMENTÁRIO
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram
“O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui