Crime nos banheiros públicos, um futuro previsível
Na manhã dessa quarta-feira, dia 06 de setembro de 2016, uma criança de 14 anos de idade foi espancada e violentada sexualmente por um homem que trajava vestido de mulher.

O fato aconteceu em um banheiro público localizado em Copacabana no Rio de Janeiro, o sanitário que antes era utilizado apenas para mulheres, após ter sido aprovada uma Resolução do Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (CNCD/LGBT) órgão vinculado à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República sobre o uso de banheiros públicos, passou a ser frequentado também por travestis e similares.

A Resolução publicada no Diário Oficial da União (DOU) no dia 12 de maio de 2015, garantia mais direitos a comunidade LGBT apenas dentro das Unidades de Ensino, meninos poderiam utilizar banheiros femininos e vice-versa, mas, em 07 de agosto de 2016 foi aprovada uma outra Resolução pela mesma Comissão,  que ampliava o direito adquirido, para fora dos colégios, contemplando agora, não só os alunos, mais toda a comunidade gay que desde então, poderia frequentar todos banheiros públicos masculinos ou femininos de todo o país.

Ainda nessa quarta-feira em Brasília, uma senhora prestou queixa na Delegacia de Ceilândia por ter sofrido assédio sexual dentro de uma banheiro público no bairro de Samambaia. Fatos semelhantes estão acontecendo em todos os estados.

A comunidade LGBT se defende dizendo que são casos isolados, mas, a Polícia afirma que o número de ocorrências desse tipo está aumentando desde que a resolução da CNCD foi aprovada.

O deputado Jean Wyllys publicou em seus site que tudo não passa de armação por parte dos homofóbicos e que escolher o banheiro a ser usado é um direito daqueles que psicologicamente são mulheres.

Crime nos banheiros públicos, um futuro previsívelSenadores e deputados da oposição, além da bancada da bala e dos evangélicos estão furiosos e não falam de outra coisa nas tribunas. O deputado Marco Feliciano, na tentativa de resolver o problema entrou com um projeto para construção de banheiros públicos para a comunidade LGBT, mas, foi alertado que o governo do Acre já fez isso em um evento agropecuário em julho de 2002 e não teve a aprovação dos beneficiados, que rotularam a atitude como uma ação homofóbica.

Os pais estão aconselhando seus filhos para não frequentarem banheiros públicos por conta do risco de violência por parte de pedófilos disfarçados, e os especialistas na área médica alertam para o risco das pessoas terem problemas de saúde se segurarem a bexiga por um longo tempo sem ir ao banheiro.

As igrejas evangélicas e católicas estão em campanha para que o governo anule a Resolução que permite homens frequentarem banheiros femininos e vice-versa.

A reportagem da Revista Veja tentou contato com a presidenta Dilma para falar sobre o assunto, mas não foi atendida.  Veja entrevistou Dona F.J.A uma senhora da cidade de Paulista em Pernambuco que não quis ser identificada com medo de represarias, ela disse que sua filha ficou traumatizada após chegar de um Shopping Center, onde no banheiro feminino entrou um homem vestido com roupas chamativas, unhas postiças e bastante maquiado, de imediato, ela saiu do sanitário assustada.

Crime nos banheiros públicos, um futuro previsívelOs programas de TV, se aproveitando da ocasião, estão promovendo vários debates para discutir o tema; Super Pop, Programa do Ratinho, Serginho Groisman, The Noite, são os que mais estão lucrando com o caos instalado. O pastor Silas Malafaia está anunciando que ninguém pode perder o seu próximo programa, pois tem uma bomba que vai explodir sua audiência, já adiantou que o assunto é Comunidade LGBT.

Fontes: Portal Correio | Rondônia ao Vivo

Atenção!
Notícia meramente fictícia. Visão sociológica do futuro.

Robson Aguiar

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui