Como criar um delinquente
Muitos fatores e circunstâncias podem levar pessoas a ingressarem na marginalidade | Foto: Reprodução/Internet

Em muitos casos de delinquência infanto-juvenil, provavelmente, não foram impostos limites ou aplicado correções pontuais pelos pais.

Sabe-se que muitos são os fatores e as circunstâncias que podem levar pessoas a ingressarem na marginalidade. E muitas delas são inclinadas a prática de atos de violência ou para a criminalidade, devido os exemplos de sua criação e de sua educação familiar. Ou, também, por viverem e passarem boa parte do seu dia, em locais e ambientes em que essas atividades ilícitas são praticadas normalmente.

Essa permanência e convivência diária nesses lugares, pode passar a influenciar o modo de vida desses pequeninos, que estão em plena formação e desenvolvimento de seu caráter e de sua personalidade. Num passado não muito distante, alguns estudiosos defendiam que o ser humano era produto do meio em que viviam, além disso, era preguiçoso e com grande tendência para ingressar na marginalidade.

Outra corrente, assegurava que o ser humano nascia com o gene predominante para a criminalidade. Um desses pesquisadores, começou a traçar o perfil do criminoso através do estudo de sua formação craniana. Num trabalho realizado pela polícia de Houston, no Estado do Texas, nos Estados Unidos, foi publicado um artigo interessante sobre o tema, com o título: Dez Regras de Como Criar um Delinquente! Veja a seguir, quais são essas regras:

1ª – Desde a infância, dê tudo o que seu filho pedir. Ele vai acreditar que o mundo tem a obrigação de lhe dar tudo que deseja e quer;

2ª – Quando ele xingar palavrões, ache graça e chame pessoas para verem. Isso o fará com que se sinta importante;

3ª – Nunca lhe dê orientação moral, sexual ou religiosa. Espere chegar a fase da adolescência ou maioridade, para que ele descida por si mesmo (parece com a defesa da ideologia de gênero);

4ª – Apanhe tudo que ele (a) deixar jogado dentro de casa: brinquedos, roupas, toalhas, cadernos, meias, sapatos, etc. Ele (a) irá aprender a jogar sua responsabilidade sobre outras pessoas;

5ª – Frequentemente, discuta com seu marido (esposa) na frente deles e de outras pessoas. Quando ocorrer a separação, ele não ficará chocado;

6ª – Dê-lhe todo o dinheiro que quiser. Assim, nunca irá se esforçar para conquistar o que deseja, mas com seu próprio esforço    ;

7ª – Satisfaça todos os seus desejos e as suas vontades. A negação poderá fazer surgir problemas psicológicos ou traumáticos no futuro (ouvimos muito isso em nossos dias);

8ª – Tome sempre partido a favor dele, mesmo sabendo que está errado. Com isso, deixará a impressão de que todos implicam com ele (é um santinho);

9ª – Quando se meter numa encrenca mais séria, dê a seguinte desculpa: desde pequeno, nunca consegui dominá-lo;

10ª – Prepare-se emocionalmente e psicologicamente, para sofrer dissabores e ter uma vida de desgosto e de tristeza em relação ao futuro de seu filho (a).

Essas regras e orientações são muito importantes, haja vista que comprovam algo que testemunhamos todos os dias. Infelizmente, as esquecemos na primeira pirraça feita em público por nossos pequeninos, para comprarmos algo que quer. Muitos pais fazem isso, para evitar constrangimentos diante da situação. Podemos observar em muitos casos de delinquência infanto-juvenil que, provavelmente, a esses indivíduos não foram impostos limites ou aplicado correções pontuais por seus pais. Alguém disse que: “ás vezes, o exemplo diz mais do que muitas palavras”.


DEIXE UM COMENTÁRIO
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram
“O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”
.
Seara News 25 anos

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui