25.5 C
Vila Velha

Ataques radicais em Moçambique afetam a vida dos cristãos

Apesar de os cristãos não serem os principais alvos, são afetados pelos saques e destruições de igrejas e propriedades privadas.

EM FOCO

Portas Abertas
A serviço da Igreja Perseguida, PORTAS ABERTAS é uma organização internacional que serve cristãos em lugares hostis ao evangelho. Está presente em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.
Ataques radicais em Moçambique afetam a vida dos cristãos
Cristãos têm casas, igrejas e propriedades destruídas e saqueadas por extremistas islâmicos na região norte de Moçambique | Foto: Portas Abertas

O objetivo dos jihadistas é a implantação das leis islâmicas na região norte do país.

Nem a possibilidade de contaminação com a COVID-19 desencorajou extremistas islâmicos de promoverem vários ataques na província de Cabo Delgado, no Norte de Moçambique.

Em 28 de maio, os militantes tomaram rapidamente a cidade comercial de Macomia. Ela foi a terceira cidade invadida pelos jihadistas nos últimos meses. Os autores dos incidentes se autoproclamam como Estado Islâmico e têm como objetivo a implantação das leis islâmicas (sharia) no território. Apesar do nome do grupo ser o mesmo do que atua no Iraque e Síria, não há comprovação da ligação entre eles.

Entre 28 e 30 de maio de 2020, pelo menos 95 pessoas morreram por causa de conflitos entre os radicais islâmicos e as forças do governo. Porém, o número de mortos chega a mil desde que os grupos de insurgentes começaram a agir, em 2017.

Outro problema resultante da violência foi o deslocamento de 150 mil pessoas pelo país. Isso acontece porque casas, lojas, igrejas e edifícios governamentais são incendiados durante os ataques.

Os custos dos conflitos para a população

De acordo com a Agência de Notícias de Moçambique, os extremistas têm uma maneira de selecionar as vítimas. Eles fazem perguntas sobre o islamismo e, se a pessoa não souber responder, é morta. Os que tentam fugir também são alvos fáceis para os insurgentes. Entre os prejuízos dos combates está a retirada da ONG Médicos sem Fronteiras do território, já que teve o centro de saúde onde atuava seriamente danificado. 

O Norte de Moçambique é uma região majoritariamente muçulmana, mas estava em paz até o surgimento do wahabismo em 2017, quando muitos começaram a interpretar o islamismo de maneira mais conservadora.

Apesar de os cristãos não serem os principais alvos, são afetados pelos saques e destruições de igrejas e propriedades privadas. “A menos que o governo trabalhe para controlar a situação, a violência contínua pode corroer a harmonia religiosa que existe hoje entre o povo de Moçambique”, afirma Jo Newhouse*, porta-voz das operações da Portas Abertas na África Subsaariana.

*Nome alterado por segurança.

Pedidos de oração

  • Interceda pelas pessoas que perderam os entes queridos durante os ataques em Moçambique. Peça que o Senhor console os corações e se revele a cada um neste momento difícil.
  • Ore para que os cristãos sejam cheios de amor de Deus e esperança, e consigam ser testemunhas vivas de Cristo a todos.
  • Clame para que o Senhor dê sabedoria às autoridades e elas consigam promover ações eficazes para conter a ação de extremistas islâmicos.

    DEIXE UM COMENTÁRIO 
    Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram
    “O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”
- Publicidade -

LEIA TAMBÉM

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -
www.AutoPECAS-online.Pt

LEIA TAMBÉM