As seis principais faltas do Evangélico NeoPentecostal

Por Marcos Granconato

O que distingue o “evangélico” moderno do crente verdadeiro?
O que é, ou como é, o evangélico neopentecostal?

- Publicidade -

1 – Falta de senso crítico

O neopentecostal dá crédito fácil à mentira. Ele aceita com facilidade qualquer invenção que aparece sem questionar nada, bastando apenas que o líder diga tudo com ares de autoridade e com alguns “aleluias” (At 17.11; Ef 4.14-15).

2 – Falta de disposição para aceitar a correção

É inútil mostrar biblicamente ao neopentecostal que ele está errado. Ele dirá que a Bíblia pode ser interpretada das mais variadas maneiras e desprezará todas as evidências da Palavra de Deus que militem contra suas crendices (2 Tm 3.8; 4.3-4).

3 – Falta de interesse no estudo bíblico sério e profundo

O neopentecostal é um grande ignorante da Palavra de Deus. Ele não vê o estudo teológico como algo importante. Geralmente ele diz que estudar a Bíblia ou a teologia é uma prática carnal. Para fundamentar essa crença, é usado 2 Coríntios 3.6 (entendem que a frase “a letra mata” é uma censura de Paulo contra o estudo!!!). O que existe na verdade é uma imensa preguiça intelectual e uma falta absoluta de interesse pelo que Deus ensina em sua Palavra. Assim, não há ênfase na pregação e no estudo sério das Escrituras no meio neopentecostal. A ênfase maior é no louvor, nas supostas curas, nas expulsões de demônios, nos cultos de libertação e coisas do tipo (1 Co 1.21; 1 Tm 3.15; 2 Tm 2.15).

4 – Falta de história de conversão

Os neopentecostais não têm uma história de conversão (1 Co 6.9-11; 1 Ts 1.9-10). Se forem questionados sobre como ou quando se converteram, dirão geralmente que foram numa determinada comunidade e ali viram curas ou alguma outra coisa que os impressionou; dirão que o pastor adivinhou algo sobre a vida deles ou que os problemas que tinham começaram a desaparecer, levando-os a se firmar na igreja. Nada dizem sobre arrependimento pessoal, confissão de pecados, perdão, novo nascimento ou outras coisas próprias da conversão. Talvez o maior problema do neopentecostal é o fato dele não ser um crente verdadeiro (2 Co 13.5).

5 – Falta de vida cristã exemplar

O neopentecostal tem um testemunho de vida moral horrível. Ele não se preocupa com a santidade, o viver separado do mundo ou o imitar Cristo. Aliás, é exatamente o contrário disso que é estimulado, sob a justificativa de que igualar-se ao mundo vai atrair os descrentes para a igreja (é por isso que os cultos neopentecostais são mais parecidos com shows. Veja Hb 12.28-29). Essa falta de preocupação com o viver cristão é substituída pela preocupação com o bem-estar físico e financeiro e com a busca de experiências místicas, fortes emoções e entretenimento (veja Tg 4.9-10) como espetáculos musicais, shows e passeatas (2 Co 6.14-15; Tg 4.4; 1 Jo 2.3-6).

6 – Falta de compromisso com a igreja local

As reuniões neopentecostais são marcadas por um constante vai-e-vem de centenas e até milhares de pessoas. A cada dia o auditório muda. Não há membresia. A maior parte dos frequentadores não se conhece devido à grande rotatividade de gente que entra e sai. O pastor não tem um rebanho em que ele conhece cada uma das ovelhas, acompanha-as, disciplina-as quando necessário e se sente responsável por elas. Isso faz com que as igrejas neopentecostais se tornem o paraíso daqueles “crentes” que não dão certo em igreja nenhuma e que não querem ter compromisso com nada (Hb 10.25; 1Jo 1.7).

Avaliação

Como Deus tem usado o movimento neopentecostal para atingir seus propósitos?

1 – A criação de uma forte insatisfação nos convertidos verdadeiros

Como as igrejas neopentecostais não oferecem nada que realmente dê vigor espiritual, os verdadeiros convertidos dentro dessas igrejas, depois de algum tempo, começam a se sentir famintos de algo mais sólido e verdadeiro. Essa fome geralmente é acompanhada de comparações entre o que a Bíblia diz e o que os líderes falam, o que geralmente faz com que esses crentes comecem a ser desprezados e perseguidos. Diante disso tudo, tais pessoas se veem forçadas a sair em busca de uma igreja séria (Jo 10.2-5).

2 – A oportunidade de purificação das igrejas genuínas

As igrejas neopentecostais têm oferecido tudo aquilo de que os falsos crentes gostam (paz com o mundo, superstições, promessas de prosperidade, falta de compromisso). Isso atrai para elas todo o “joio” que há nas igrejas bíblicas. Desse modo, tirando proveito das astúcias de Satanás, Deus tem trabalhado na edificação de uma igreja mais livre de lobos fantasiados de ovelha (1 Jo 2.19).

Pr. Marcos GranconatoMarcos Granconato
Pastor da Igreja Batista e Bacharel em Direito. Professor de Teologia Sistemática e Ministrante de cursos de História da Igreja do Seminário Palavra da Vida de Atibaia-SP por mais de 20 anos. Mestre em Teologia Histórica pelo Andrew Jumper/ Universidade Mackenzie. Autor de: “A Essência do Evangelho de Paulo” (Comentário de Gálatas), “Eles falaram sobre o inferno”, “A Prática da Igreja de Deus”.

Escola Teológica Charles Spurgeon

1 COMENTÁRIO

  1. Olá.

    Sou um cristão pentecostal, nascido e criado em família evangélica pentecostal, membros de uma das igrejas pentecostais mais antigas do Brasil.

    Li o artigo, quis sair para outras partes da internet, mas me senti tocado a dizer algo a respeito do assunto sobre neopentecostais, e retornei para cá. O nobre articulista parece ser conhecedor de alguma denominação neopentecostal. E partindo desse conhecimento, faz uma generalização, tratando muitas como se fosse uma só; diferentes como se fossem iguais. E toda espécie de generalização não é justa. E, conforme consta em 1 Coríntios 6.9, os injustos não herdarão o reino de Deus, portanto, cuidado!

    Quem salva o ser humano é Cristo, ninguém é salvo pelo convencimento de pastores, sejam eles pentecostais, neopentecostais, reformados, ou de qualquer outro rótulo. De modo algum venho aqui fazer apologia de movimentos religiosos. O que eu pretendo é tão-somente dizer que o Espírito sopra onde quer, e nenhum cristão é capaz de controlá-lo. Aliás, nenhum ser humano tem tamanho poder!

    Assim como não é correto julgar livros pelas capas, não é prudente fechar análise de um movimento religioso assistindo o seu programa via transmissão em televisor ou em rádio, assentados comodamente dentro do recinto do seu lar ou em quaisquer lugares que não seja o ambiente da igreja criticada. E é exatamente o que muitos irmãos em Cristo, que acredito serem sinceros e cheios de boa intenção, fazem ao descrever igreja x, y, z… Contentam-se com os aparelhos eletrônicos, quando deveriam comentar após observação meticulosa no próprio lugar.

    Quero deixar dois depoimentos aqui, não cito nomes por que não tenho a permissão de fazê-lo publicamente, mas com certeza poderei apresentar as pessoas se essa for sua vontade. Não sentirei decepção se resolver não publicá-los. Se não os publicar, como cristão, entenderei e o respeitarei, continuando a visitar este espaço. Porém, eu me sentirei obrigado a orar mais por você!

    Primeiro testemunho:

    Conheço uma jovem senhora, pertencente à classe média paulistana, vivia no mundo das drogas pesadas e em vida sexual totalmente desregrada. Encontrou um rapaz na noite da cidade e com ele teve um filho, casou-se depois com o pai da criança, mas não largou os vícios e nem abandonou o comportamento sexual errado. Apaixonado, o marido tentou mudá-la e ela o expulsou de sua vida. Divorciaram-se e ele casou-se com outra. Três anos depois, ela converteu-se em uma congregação neopentecostal, uma dessas cujo líder tem programas diários na televisão. Os obreiros da tal igreja disseram que ela não deveria se conformar com o estilo de vida do mundo e buscar em Deus e reestruturação de sua família, e ela começou a clamar jejuando, a ponto de todos ficarem preocupados, pois emagreceu demais… Cerca de doze meses após, o marido recebeu do filhinho uma Bíblia de presente e um convite para vê-lo adorar a Deus em uma festividade de Dias dos Pais que haveria na congregação. Ele foi ao culto, converteu-se naquela ocasião. Não muito tempo depois, ele divorciou-se da segunda esposa e casou-se pela segunda vez com a primeira. Detalhe: a segunda esposa foi tocada por Deus em sonhos que lhe diziam que vivia em relacionamento ilícito, foi em uma Igreja Batista e converteu-se lá. Para a glória de Deus, eis o depoimento de uma família reestruturada há quase cinco anos atrás!

    Segundo testemunho:

    Mulher mãe de dois garotos adolescentes se converte. Junto com ela, vão à igreja o marido e os filhos, que sendo instrumentistas, passam a louvar ao Senhor nos cultos. Depois, convertem-se seus avós, algumas tias, dois cunhados e respectivas famílias… Os filhos casam-se com jovens daquela congregação. Quase dez anos depois de convertida, esta mulher descobre que o marido teve vida conjugal infiel com ela antes de converter-se e é pais de um casal de jovens um pouco mais novos que os filhos dela. O que ela faz? Perdoa-o, dizendo “isto foi coisa do velho homem” e ajudando-o pagar a pensão alimentícia das crianças que ele teve no relacionamento extraconjugal. A mulher da aventura amorosa foi evangelizada e converte-se também. Este depoimento é composto de gente que está em igreja neopentecostal.

    Enfim, não pretendo me estender para depoimentos de pessoas fora do meu círculo social, embora ainda tenha mais testemunho de gente de dentro…

    E.A.G.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui