A fé torna as meninas cristãs ainda mais vulneráveis, aponta relatório

A fé torna as meninas cristãs ainda mais vulneráveis, aponta relatório
Portas Abertas mantém abrigo de crianças cristãs perseguidas na Colômbia | Foto: Portas Abertas

Na véspera do Dia Internacional das Meninas, 11 de outubro, a Portas Abertas publicou um relatório mostrando como as meninas cristãs são triplamente vulneráveis por causa de sua idade, sexo e fé.

Uma menina nigeriana de 17 anos, por exemplo, foge depois de ser sequestrada e forçada a se converter ao Islã. No Irã, uma garotinha de 2 anos é afastada de seus pais adotivos porque eles são cristãos convertidos.

Embora as situações e circunstâncias variem por país, “a perseguição religiosa e a discriminação são dirigidas a crianças e jovens, manipulando suas opções de curto e longo prazo, assumindo o controle do caminho para suas identidades e situações adultas”, diz o documento ‘Relatório Específico sobre Jovens e Crianças no contexto da Perseguição Religiosa’.

Os pesquisadores analisaram a liberdade religiosa de crianças e jovens (menores de 18 anos) nos 50 países onde é mais difícil viver como cristão, de acordo com a Lista Mundial da Perseguição 2021. Os resultados mostram que não importa o quão jovem, meninos e meninas já começam a enfrentar diferentes “pontos de pressão”, dos quais mais são relatados para meninas.

- Publicidade -

Embora a principal ameaça para os meninos seja o recrutamento para as milícias, as meninas cristãs desses países correm o risco de casamento forçado (em 66% dos países), bem como de violência sexual (58%)

“Pontos de pressão afiliados como rapto, tráfico e sedução direcionada também contribuem para um padrão de direcionamento às meninas por sua pureza sexual e possibilidade de casamento”, disseram os pesquisadores.

Em zonas de conflito, os riscos são ainda maiores. No nordeste da Nigéria, por exemplo, o grupo radical islâmico Boko Haram sequestrou crianças, principalmente as meninas Chibok e a adolescente Leah Sharibu, de suas escolas, muitas vezes para casá-las com um de seus combatentes.

Educação

A educação é um campo particularmente perigoso. Em quase todos os países pesquisados, crianças cristãs enfrentam assédio e discriminação na educação.

“Os jovens são considerados diferentes, refletindo padrões sociais mais amplos de marginalização”, apontou o relatório. “O preconceito aparece no ensino explicitamente anticristão, isolando crianças e jovens associados à fé”.

Às vezes, isso chega a um ponto em que as crianças cristãs têm uma escolha duvidosa, como em duas escolas no Irã, onde foram instruídas a frequentar aulas para estudar o islamismo ou ir embora. Crianças e jovens também podem ser pressionados a participar de atividades que contradigam sua fé, ou mesmo a denunciá-la.

“Se as crianças puderem ser impedidas de crescer como cristãs – ocupando papéis valiosos na sociedade e como pais de futuros cristãos, menos recursos serão necessários para os futuros agentes de perseguição para remover uma comunidade cristã menor e enfraquecida nas gerações vindouras”, relata do documento. “Crianças e jovens são visados a fim de evitar que a próxima geração edifique a igreja”.

A Portas Abertas, por meio de seus parceiros locais, atende crianças e jovens em diversos países. Confira o trabalho dos Centros de Esperança na Síria e o abrigo para crianças na Colômbia.


DEIXE UM COMENTÁRIO
Siga Seara News no Twitter, no Facebook e Instagram
“O primeiro portal cristão no Estado do Espírito Santo”
Se encontrou algum erro, deseja sugerir uma pauta, ou falar conosco. Clique aqui!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui