73 igrejas são queimadas no Egito

0
41

"Agora, Senhor, considera as ameaças deles e capacita os teus servos para anunciarem a tua palavra corajosamente. Estende a tua mão para curar e realizar sinais e maravilhas por meio do nome do teu santo servo Jesus" (Atos 4.29-30).

 igrejas queimadas no EgitoSamir*, colaborador da Portas Abertas no Egito, disponibilizou a lista de todas as igrejas queimadas e edifícios cristãos destruídos nesses últimos confrontos no Egito. Leia o seu relato:

"Sem dúvida, a última semana de ataques violentos contra cristãos é chocante e sem precedentes. É comum assistirmos incidentes variáveis de ataques a igrejas por radicais em aldeias ou centros urbanos; famílias cristãs são perseguidas e forçadas a migrar de suas cidades de origem; repetidas formas de discriminação fazem parte da vida diária dos cristãos egípcios [também chamados de “coptas”], independente do lugar onde vivem ou trabalham.

Mas, a violência sistemática conduzida contra os cristãos egípcios ao longo dos últimos cinco dias, deixou a maior Igreja do Oriente Médio com uma extensa lista de perdas – e uma série de perguntas que só Deus pode nos ajudar a responder.

A lista é longa, e pode não significar muito para um leitor que não tenha visitado o Egito antes ou não entende a geografia do país. Mas é certamente doloroso para nós que visitamos tais congregações!

De acordo com o último relatório, publicado no Twitter na manhã de 20 de agosto (terça-feira), pelo Bispo Jeremiah, membro da Igreja Ortodoxa Copta e chefe do Centro Cultural Copta, as perdas cristãs são enormes: 73 igrejas e mosteiros, bem como 22 edifícios adjuntos de serviços da igreja (incluindo orfanatos, escolas e livrarias bíblicas) foram parcial ou totalmente queimados. Além disso, 212 propriedades privadas coptas foram atacadas, saqueadas ou incendiadas. A morte de sete cristãos foi confirmada.

Militantes favoráveis ao presidente deposto Mohamed Mursi e seu partido, a Irmandade Muçulmana, são apontados como os responsáveis por todos esses ataques. Em resposta à acusação, a organização lançou a seguinte declaração em16/08:

 ‘Nossa revolução é pacífica. Vamos continuar mobilizando as pessoas a tomarem as ruas sem recorrer à violência e sem vandalismo, pois essa não é a nossa abordagem. O vandalismo visa apenas distorcer a imagem da nossa revolta pacífica e encontrar justificativas para os líderes do golpe continuarem a governar o país’."

Portas Abertas

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Escreva seu comentário!
Por favor, digite seu nome