Professor de Teologia, um trabalhador?

0
26

Professor

Por Roney Ricardo Cozzer

Durante quase seis anos eu trabalhei nas ferrovias e depois mais quatro anos como um trabalhador de chão de fábrica na indústria. Saía da empresa e chegando em casa ia estudar, e à noite, duas vezes na semana, frequentava as aulas na faculdade, além de desenvolver diversas outras atividades em paralelo aos empregos que tive.

Na última empresa em que trabalhei, operando painéis e fazendo outras atividades, eu sonhava com o dia em que viveria exclusivamente para o ensino teológico. Às vezes me via extremamente desanimado, chegando a pensar que esse dia nunca chegaria.

Bem, de um modo admirável, pela graça do Senhor, isso aconteceu em minha vida, embora não tenha sido e não esteja sendo fácil. Faço o que amo e louvo a Deus pelos anos que passei trabalhando em outras empresas, o que me ajudou muito num processo de maturação e aquisição de saberes que atualmente utilizo a serviço da Teologia.

Hoje, curiosamente, me deparo com um preconceito: seria eu, um professor de Teologia, um trabalhador como qualquer outro? Se eu faltar ao culto em função da minha atividade receberei o mesmo tratamento que o operário receberia no caso dele precisar faltar também? Presumo que não!

Se alguém ligar para minha casa às nove da manhã e eu atender com a voz “amarrotada” será que em lugar da clássica pergunta (inquisitória!) “Você acordou agora?” A pessoa será sensível para perguntar: “Que horas você dormiu hoje?” Presumo que não!

Algumas questões não são nem pensadas pela Igreja do Senhor a nosso respeito, professores de Teologia. É claro que aqui me refiro a professores sérios, que levam a sério sua função e ministério!

Quantas horas por dia trabalhamos? Quanto tempo demanda a preparação de uma aula? Quanto custa nossa biblioteca? Quanto custou os cursos de qualificação que fizemos? Que privação enfrentamos para avançar na missão de ensinar a Palavra de Deus? Como é a sensação de não poder continuar um núcleo e levar a culpa por isso, sendo tratado como um irresponsável, sem que seja considerada a sua necessidade e a necessidade da sua família?

Respondendo à pergunta que eu mesmo lancei, SIM, o professor de Teologia é um trabalhador no sentido pleno da palavra.

Antes, como empregado, eu trabalhava oito horas pontuais, hoje chego a trabalhar às vezes 16 horas por dia (acredite se quiser). Ore por mim, ore por nós, professores de Teologia que levam a sério o ministério e que, pegando emprestadas as palavras de Paulo, “gastamos e nos deixamos gastar pelas vossas almas”.

Dedico este texto, com carinho, aos professores de Teologia que trabalham com afinco.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorSobre a Justiça dos homens
Próximo artigoGabriela Gomes é a nova contratada da Universal Music Christian Group
Roney Cozzer
Roney Ricardo serve a Deus e a Igreja como presbítero e professor de teologia. É membro da AD Vida Abundante, em Porto de Santana, Cariacica/ES, presidida pelo Pr. Paulo Cesar. É mestrando em Teologia na linha de pesquisa Leitura e Ensino da Bíblia, mestrando intra corpus em Teologia Histórica e aluno no curso de extensão universitária "Iniciação Teológica" da PUC/RJ. Possui formação em Psicanálise Clínica, especialização em Psicopedagogia, é licenciado em Pedagogia e História e palestrante nas áreas de Bíblia, Teologia, Educação Cristã e Família; e escreve para a Revista Seara News.

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Escreva seu comentário!
Por favor, digite seu nome

oito + 7 =