Home / Mundo / Estado Islâmico ‘jura por Deus’ para erradicar os cristãos

Estado Islâmico ‘jura por Deus’ para erradicar os cristãos

Estado Islâmico 'jura por Deus' para erradicar os cristãos
Cristãos egípcios durante o funeral de vítimas mortas no bombardeio da catedral copta do Cairo. ( REUTERS / Amr Abdallah Dalsh )

O Estado islâmico publicou um vídeo no domingo ameaçando os cristãos egípcios e mostrando a última declaração de um homem que disse ser responsável pelo bombardeio mortal em dezembro de uma catedral copta no Cairo.

O homem mascarado, vestido para batalha, que o grupo identificou como Abu Abdallah al-Masri, é visto incentivando os militantes de todo o mundo a não desistir e prometer aos islâmicos presos no Egito, que eles serão libertados em breve, quando o grupo “libertar” o Cairo.

O presidente Abdel Fattah al-Sisi já havia identificado o terrorista como um estudante de 22 anos chamado Mahmoud Shafik, e acredita-se que Abu Abdallah al-Masri seja o nome que ele adotou. “Ele havia sido detido por dois meses em 2014 antes de se juntar a uma célula do Estado islâmico no Sinai”, disse o governo.

“Por fim, a meus irmãos em cativeiro: alegrem-se, confiem, não hesitem, e nem lamentem, juro por Deus que em breve liberaremos o Cairo e os libertaremos do cativeiro. Nós chegaremos com explosivos, juro que vamos, por isso, alegrem-se, confiem”, disse ele no vídeo.

Pelo menos 28 pessoas, principalmente mulheres e crianças, foram mortas em dezembro, quando uma bomba explodiu em uma capela adjacente à Catedral de São Marcos, a sede do papado copta.

Os coptas ortodoxos, que representam cerca de 10% dos 90 milhões de pessoas do Egito, são a maior comunidade cristã do Oriente Médio.

O Estado islâmico assumiu a responsabilidade pelo bombardeio, seu ataque mais mortal no Egito, fora da Península do Sinai, onde vem operando uma insurgência desde 2013.

O ataque no Cairo, aliado ao uso de um novo logotipo do “Estado Islâmico no Egito” em oposição à “Província do Sinai”, sugere uma expansão das operações para o resto do país.

O governo egípcio disse em dezembro que Abu Abdallah al-Masri apoiou o movimento islâmico da Irmandade Muçulmana. Mas a Irmandade condenou o ataque e acusou o governo de Abdel Fattah al-Sisi de não proteger a igreja.

Abdel Fattah al-Sisi assumiu o poder em 2013, depôs o presidente da irmandade, Mohamed Mursi, e desde então proibiu o grupo como parte de uma repressão em que centenas de islamistas foram mortos e milhares presos.

A Irmandade diz que é um movimento pacífico, mas que se dividiu em asas rivais, e alguns antigos partidários formaram grupos dissidentes que realizam ataques contra a polícia e funcionários judiciais.

Desiludidos pelo flerte infeliz com a democracia, alguns partidários mais jovens da Irmandade foram para lutar na Síria ou se juntaram ao braço local do Estado Islâmico, que desde 2013 matou centenas de soldados e policiais no Sinai.

Tradução: Seara News Editorial
Texto original/Fonte: Charisma News
© 2017 Thomson Reuters

Quero anunciar!

Sobre Paulo Pontes

Paulo Pontes
Cidadão Vilavelhense, natural de Magé (RJ), pastor, jornalista, editor da Revista Seara News e do Portal Seara News.

Além disso, verifique

"Se converta ou morra", diz mensagem do Estado Islâmico aos cristãos assírios na Suécia

“Se converta ou morra”, diz mensagem do Estado Islâmico aos cristãos assírios na Suécia

O jornal sueco “Dagens Nyheter” (DN) relatou que os símbolos do Estado Islâmico e outros ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte + 1 =

Licena Creative Commons

Seara News foi licenciado com uma Licença Creative Commons