Home / Teologia / Desfazendo mitos…

Desfazendo mitos…

Grego e Hebraico

Por Roney Cozzer

Abaixo, algumas observações muito importantes a respeito do conhecimento das línguas originais da Bíblia que ajudam a desconstruir alguns “mitos” populares entre a Igreja brasileira.

Conhecer etimologias bíblicas não é suficiente para a compreensão dos textos bíblicos.

Nem sempre o conhecimento etimológico será determinante na exegese de um texto escriturístico, embora esse conhecimento seja mesmo fundamental. A análise de uma passagem bíblica passa por fatores variados que trabalham em conjunto. De fato, D. A. Carson alerta para aquele erro que ele chama de “falácia do radical”:

A falácia do radical, um dos erros mais persistentes, pressupõe que toda palavra realmente tem um sentido ligado à sua forma ou a seus componentes. Dessa forma, o significado é determinado pela etimologia, ou seja, pela raiz ou raízes de uma palavra[1].

O mesmo autor cita um exemplo bem contundente e muito utilizado, inclusive, em nosso contexto. A palavra “apóstolo” no grego do Novo Testamento por vezes é apresentada como significando simplesmente “aquele que foi enviado”. Mas os contextos em que a palavra é usada no Novo Testamento, por vezes indica um “mensageiro”, e não simplesmente “aquele que foi enviado”. Essa última definição pode ser ambígua e imprecisa.

Ora, um mensageiro geralmente é enviado; mas a palavra mensageiro também faz pensar na mensagem que está sendo levada e sugere que essa pessoa representa aquele que a enviou. Em outras palavras, o verdadeiro uso no Novo Testamento sugere que, de modo geral, [a palavra para apóstolo] carrega o significado de representante oficial ou mensageiro especial e não “alguém que foi enviado”[2].

Conhecer o hebraico e o grego não faz com que uma pessoa seja um exegeta.

O conhecimento de uma língua demanda muitos anos de estudo e pesquisa, além da prática, no caso dos que procuram a fluência também. Mas a exegese, enquanto disciplina interpretativa, é um trabalho composto, que dialoga com outras áreas de conhecimento teológico e o seu trabalho é feito por etapas. Para um exegeta de fato, conhecer os originais é requisito obrigatório, mas conhecer os originais apenas não faz o exegeta. É preciso dialogar com métodos exegéticos (e em geral, os exegetas adotam um) e conhecer diversos aspectos relacionados à Bíblia, enquanto obra literária. É preciso saber identificar uma perícope, conhecer contextos, dentre outros conhecimentos necessários.

[1] A exegese e suas falácias: perigos na interpretação bíblica, 1992, p. 26.

[2] A exegese e suas falácias: perigos na interpretação bíblica, 1992, p. 28.

Quero anunciar!

Sobre Roney Cozzer

Roney Cozzer
Roney Ricardo serve a Deus e a Igreja como presbítero e professor de teologia. É membro da AD Vida Abundante, em Porto de Santana, Cariacica/ES, presidida pelo Pr. Paulo Cesar. É mestrando em Teologia na linha de pesquisa Leitura e Ensino da Bíblia, mestrando intra corpus em Teologia Histórica e aluno no curso de extensão universitária "Iniciação Teológica" da PUC/RJ. Possui formação em Psicanálise Clínica, especialização em Psicopedagogia, é licenciado em Pedagogia e História e palestrante nas áreas de Bíblia, Teologia, Educação Cristã e Família; e escreve para a Revista Seara News. Contato: roneycozzer@hotmail.com & roneyricardoteologia@gmail.com

Além disso, verifique

Sobre minha "Carta a um amigo estudante de teologia"

Sobre minha “Carta a um amigo estudante de teologia”

  MEU DEUS!Como o tempo passa rápido. Confesso, publicamente, que se fosse escrever essa carta, ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 + 9 =

Licena Creative Commons

Seara News foi licenciado com uma Licença Creative Commons